Luxemburgo sofre para acertar a defesa palmeirense

Treinador não terá atacantes Kléber e Alex Mineiro contra o Cruzeiro, mas principal preocupação é a zaga

Vitor Marques - Jornal da Tarde,

11 de setembro de 2008 | 21h59

Contra o Cruzeiro, domingo, no Mineirão, o Palmeiras não terá sua dupla de ataque titular: Alex Mineiro e Kléber, que estão suspensos. Mas o técnico Vanderlei Luxemburgo não está tão preocupado em quem fará os gols (Lenny está confirmado na frente). A maior dor de cabeça é com o setor defensivo, o ponto fraco dos palmeirenses no Brasileirão.Veja também: STJD mantém pena contra o Palmeiras no 'caso do gás' Atacante Lenny promete aproveitar chance no Palmeiras Simon será o árbitro de Palmeiras e Vasco na Sul-AmericanaDê seu palpite no Bolão Vip do Limão Nesta quinta-feira, em mais um treino coletivo e tático em Atibaia, no interior de São Paulo, onde a equipe do Palmeiras está concentrada desde segunda, Luxemburgo cobrou um melhor posicionamento da defesa, que também foi alterada para partida em Minas Gerais, e mais força na marcação do meio-de-campo."Porrada, porrada", chegou a gritar Luxemburgo para o seus jogadores durante o treinamento, exigindo mais pegada no meio-de-campo. Sobrou para todo mundo. "Desse jeito, o Ramires (volante do Cruzeiro) vai entrar toda hora", avisou o treinador. Até o atacante Lenny ouviu bronca: "Tá dormindo, pô! Perdeu, volta atrás da linha da bola."Luxemburgo, porém, garantiu não estar nervoso. "Sempre trabalho dessa maneira. Isso não é novidade para mim", explicou o treinador, depois do treino desta quinta-feira, em Atibaia.Para enfrentar o Cruzeiro, Luxemburgo volta com o esquema 3-5-2, com o volante Martinez fazendo papel de zagueiro ao lado de Gustavo e Maurício - assim, Gladstone vai para o banco de reservas. E no meio-de-campo, Léo Lima ganha posição de Jumar e forma dupla de volantes com Sandro Silva."Mudei muito a defesa, por isso treino mais esse setor que o ataque. Tenho de corrigir os defeitos que o nosso time tem apresentado. O Gladstone não se deu bem ficando na sobra. O Maurício é mais rápido, mas preciso trabalhar o posicionamento, já que ele está entrando no time", contou Luxemburgo.Entre os quatro primeiros colocados do Brasileirão, o Palmeiras é quem tem a defesa mais vazada. Sofreu 31 gols até agora, enquanto o líder Grêmio levou só 16 - já o Cruzeiro, em segundo lugar, tem 25 gols sofridos e o Botafogo, em quarto, tem 21.Durante o treino desta quinta-feira, ficou claro que Luxemburgo armou seu sistema defensivo contra as investidas do lado esquerdo do time mineiro, que tem Jadilson e Wagner. "Todo o time do Cruzeiro preocupa. E meu trabalho é sempre em cima do adversário", ressaltou o treinador, tentando despistar.Luxemburgo testou três formações durante três dias de treinos em Atibaia. A primeira delas tinha Denílson e Lenny na frente. Mas o técnico admitiu que dessa maneira o time fica mais vulnerável. E o contra-ataque é uma das principais armas do Cruzeiro. "Senti que precisava recompor o meio-de-campo com o Evandro", afirmou o treinador, ao justificar a troca do atacante Denílson pelo meia Evandro.Assim, Evandro será um dos armadores do time. O outro é Diego Souza, que jogará um pouco mais avançado, perto de Lenny, que não marcou um gol sequer desde que chegou ao Palmeiras, no começo do ano. E, durante os treinos em Atibaia, Lenny acabou ficando muito isolado, quase sem levar perigo ao goleiro reserva.Agora, Luxemburgo parece ter encontrado a formação ideal para o jogo de domingo. Mas, apesar de o confronto valer a vice-liderança do Brasileirão, ele disse que não considera a partida contra o Cruzeiro como sendo decisiva para as pretensões do Palmeiras no campeonato. "É um jogo importante. Ganhou em importância devido à derrota para o Sport, que não foi um resultado normal (o Palmeiras perdeu em casa para o time pernambucano na rodada passada). Perder para o Cruzeiro no Mineirão é um resultado normal", avaliou.O Palmeiras é terceiro colocado do Brasileirão e o Cruzeiro, o segundo. Mas ambos estão empatados com 43 pontos - os mineiros levam vantagem no saldo de gols. A diferença para o Grêmio, líder do campeonato, é de seis pontos. "O Grêmio tem uma boa defesa, sofreu poucos gols, e ganhou jogos fora de casa. Por isso é líder", resumiu Luxemburgo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.