Luxemburgo: tem ditadura e a expulsão foi sacanagem

Técnico do time alviverde não se conforma e critica o chefe da arbitragem estadual, coronel Marcos Marinho

Milton Pazzi Jr., estadao.com.br

23 de fevereiro de 2008 | 23h25

Mais que o empate do Palmeiras por 1 a 1 com o Rio Preto na noite deste sábado, em casa, o que irritou o técnico Vanderlei Luxemburgo mesmo é sua expulsão de campo logo aos 20 minutos do primeiro tempo da partida, por reclamação ao árbitro Paulo Roberto Ferreira. Ele não quer nem justificativas: foi um exagero, em seu ponto de vista. Ele fala em ditadura e reclama do coronel Marcos Marinho, chefe da Comissão Estadual de Arbitragem.Veja também: Ouça a reclamação do técnico palmeirense na saída do campo Palmeiras tropeça e empata por 1 a 1 com o Rio Preto"Isso é sacanagem, fui expulso sem ofender ninguém. Tem de entender que não é assim que se faz futebol. Não pode criticar? É ditadura?", disse. A confusão foi motivada por um possível pênalti sofrido por Valdívia e cometido pelo rio-pretense Jéferson. Na saída de campo, aos berros, ele deu sua justificativa. "Eu não o ofendi. Só falei que o rapaz do Rio Preto foi com a intenção de falta, daí o bandeirinha chamou a atenção do juiz, eu sei que foi falta porque tenho mais experiência". Luxemburgo mandou um recado: "Quero falar para o coronel Marinho que eu sabia que eu ou outro íamos ser expulsos, ele [o árbitro] não gosta que reclamem dele. Estávamos incomodando. Espero não ser suspenso por causa disso como já fui outras vezes. Ele [Marinho] não tem de mandar recado para mim, tem que cuidar dos árbitros. Dos meus jogadores cuido eu." Marinho, por outro lado, ao ouvir as declarações, defendeu o trabalho feito com os árbitros. "Ele [Luxemburgo] quis apitar o jogo, só isso. É normal ele reclamar, está de cabeça quente, respeito, mas ele não está com a razão. O Vanderlei não tem de se preocupar com isso, da arbitragem cuido eu, ele tem de cuidar do time. Não tem censura, pode falar o que quiser. Só não pode ofender."O árbitro Paulo Roberto Ferreira reforçou, também na saída de campo, que o técnico palmeirense reclamou demais. "Ele fez o que não devia, foi relatado para mim pelo auxiliar e foi expulso, vai estar tudo na súmula na internet. Se tiverem que tomar alguma atitude, que tomem".Vanderlei Luxemburgo ainda brincou com o fato de já ter conhecido Ferreira, em uma situação anterior - ele é corretor de seguros. "Ele foi tentar me vender seguros algumas vezes no CT lá em Santos, é natural. Eu não comprei porque não quis, espero que não tenha sido por isso. Até porque daí vou comprar um monte..."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.