Luxemburgo tenta não mostrar decepção

Falando em tom mais baixo do que o habitual e não economizando elogios ao adversário, o técnico Vanderlei Luxemburgo parecia mais preocupado em não assumir o papel de perdedor na guerra de nervos que travou com o desafeto Leão, nos dias que antecederam o clássico. Quando ouviu a pergunta se o seu time de domingo, o das celebridades, na avaliação de Leão, teria sido mais bonzinho do que o da quarta-feira passada, ficou irritado. "Não tem essa de que o time foi mais anjinho ou capetinha. A imprensa deu pau, dizendo que os dois times trocaram o futebol pela violência nas duas partidas anteriores e agora tem mais é que elogiar porque não houve pancadas", disse o técnico santista. "São Paulo e Santos mostraram futebol e gostei do que vi no Morumbi."Se nos últimos dias Luxemburgo ficava nervoso quando falavam de Leão na sua frente, no domingo ele procurou enaltecer o que considerou o bom nível do clássico e, principalmente, do torneio nacional. "É hora de prestigiar o Campeonato Brasileiro com esses jogadores que estão no Brasil. Ronaldinho Gaúcho e o outro Ronaldo não estão aqui e mesmo assim o Brasileiro está sendo bem disputado."O treinador achou justificável a comemoração dos jogadores do São Paulo em campo, após o apito final do juiz. "Se o Santos tivesse vencido, nos também iríamos comemorar muito." Luxemburgo explicou que a substituição de Elano por Basílio não foi em razão da fraca atuação do meia, mas uma opção tática para melhorar o ataque. Ele voltou a questionar também o comportamento de Robinho em campo. "Robinho teve oportunidade de fazer o gol e não fez. Mas isso acontece. Só disse para ele que não deveria voltar tanto para fugir da marcação individual."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.