Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Luxemburgo troca Gallo por Otacílio

O Corinthians não está preparado, como exige um clássico, para enfrentar seu arqui-rival Palmeiras. O técnico Wanderley Luxemburgo só começou a trabalhar na última terça-feira. Tempo curto demais, mas o bastante para o treinador providenciar a primeira mudança na escalação - tirou Gallo e colocou Otacílio - e cuidar dos ânimos do ex-palmeirense Paulo Nunes. Sob a mira dos torcedores palmeirenses e, principalmente, dos próprios corintianos, o treinador não quer ver o atacante metido em confusão. Dele, espera gols e bom comportamento. "É um pouco complicado medir antes da partida. Contra o Fluminense (na quinta-feira, pelo Rio-São Paulo) era a estréia de outro comando e isso influi, sem dúvida. Só que a motivação tem de estar no dia-a-dia de todo profissional", afirma Luxemburgo. O treinador considera difícil fazer projeção para um jogo como esse em que estão envolvidos times em busca de uma nova fase. O que não ele não nega é o valor da vitória, até mais pela expectativa de um crescimento coletivo em relação ao desempenho diante dos cariocas. "Espero que seja melhor, sim." E completa: "O resultado positivo é importante. Ainda mais em um clássico e com o trabalho começando." ?Ao pé do ouvido - Sob o recado que a equipe vem ouvindo desde sexta-feira quando, por determinação do técnico, iniciou-se a concentração. É que, com o restrito prazo para as atividades em campo, é usar o diálogo como reforço na preparação. Vale até conversa "ao pé do ouvido". Paulo Nunes foi um dos que mereceu a honra. Empenhado em apagar qualquer vestígio de associação da sua imagem com o inimigo de amanhã, o atacante recebeu diversos "conselhos". Luxemburgo não quer ver seu jogador protagonizando gestos ou ações que possam insultar o adversário e sua torcida. Na prática, pode vibrar, só que sem provocar. E parece que Paulo Nunes entendeu. Inventor de comemorações históricas - coreografias, adereços e tudo o mais -, demonstrou estar preocupado com outra causa. "Fiz o possível e o impossível para conseguir reunir condições. E me dediquei ao máximo no tratamento (torceu o tornozelo). Graças a Deus estou melhor. Minha força de vontade foi fundamental. De maneira alguma ficaria fora dessa partida. Quero muito ajudar o Corinthians. Vou fazer tudo o que puder para sairmos com a vitória", disse. Para o atacante, não existe essa de "ex-time". "Não penso mais no Palmeiras. Penso no Corinthians. Sei que não será fácil porque eles têm um grupo forte. Respeitamos isso, com certeza. Porém, vamos lutar para vencer." Paulo Nunes busca a primeira vitória no Corinthians - perdeu na sua estréia para a Portuguesa Santista por 2 a 1, pelo Campeonato Paulista, e empatou em 1 a 1 com o Fluminense, pelo Rio-São Paulo. Chance de ouro terá também o volante Otacílio, que poderá mostrar a Luxemburgo sua capacidade. "É uma grande oportunidade. Tomara que tudo corra bem. São em jogos assim, de rivalidade, que a gente consegue se firmar. É esse o meu objetivo." Dele, de Wanderley Luxemburgo e de Paulo Nunes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.