César Greco / Ag. Palmeiras
César Greco / Ag. Palmeiras

Luxemburgo vê Palmeiras melhor em clássico: 'Esteve mais perto da vitória'

Treinador critica realização de clássico na segunda rodada do torneio e se diz satisfeito com garotos da base

Redação, Estadão Conteúdo

26 de janeiro de 2020 | 21h56

No empate por 0 a 0 entre Palmeiras e São Paulo neste domingo, o time alviverde esteve mais próximo da vitória. A avaliação é do técnico Vanderlei Luxemburgo após o primeiro clássico do Campeonato Paulista.

"Acho que ficou ruim para nós (o empate). Ficamos muito mais próximos da vitória do que o São Paulo. Tivemos mais possibilidades de fazer o gol", afirmou o treinador do Palmeiras.

Ao longo da partida, a equipe alviverde acertou duas bolas na trave, uma com Ramires e outra com Luiz Adriano, e ainda teve uma grande chance com Dudu, no começo do primeiro tempo. O São Paulo, por sua vez, teve boa oportunidade com Daniel Alves. Em todas as finalizações, os goleiros levaram vantagem sobre os atacantes com boas defesas.

"O Palmeiras soube girar a bola, equilibrar com o calor. Se pegar os 15 minutos após a parada técnica, o Palmeiras teve domínio total de jogo, virando a bola para esquerda, direita, sem deixar o São Paulo escapar", avaliou.

Para o treinador, os dois times foram prejudicados pela realização de um clássico logo na segunda rodada do torneio. "É ruim, um clássico assim tão próximo, mas fazer o quê? Os Estaduais encurtaram. Por isso, temos um clássico em um tempo tão curto", completou.

O Palmeiras volta a campo na próxima quarta-feira para enfrentar o Oeste, às 19h15 (de Brasília), no Pacaembu. O treinador vai continuar dando oportunidade para os jovens talentos, uma das prioridades do Palmeiras na temporada. No clássico deste domingo, o time começou com Gabriel Veron e Gabriel Menino entre os titulares. No segundo tempo, Patrick de Paula foi escalado.

"O Gabriel entrou bem nos jogos passados, hoje ele iniciou o jogo. Ele precisa de espaço, velocidade. Botei o Gabriel Menino, depois o Patrick de Paula... O Veron entrou. A gente tem que ter paciência. Nós queremos muito dos meninos e às vezes acabamos queimando por algo que ainda não podem fazer. Estou satisfeito com eles, agora vamos ver", afirmou Luxemburgo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.