Luxemburgo volta a criticar torneio

O técnico Vanderlei Luxemburgo preferiu considerar uma vitória como outra qualquer a deste domingo à tarde contra o São Paulo, do seu desafeto Emerson Leão, por 1 a 0, na Vila Belmiro, pela Copa Sul-Americana. Agora, na disputa entre os dois, está 3 a 1 para ele, após a passagem de ambos pela Seleção Brasileira."A vitória não me surpreendeu. Sabia que iria ter esse tipo de questionamento ganhando ou perdendo. Mas escalei o que era possível e dei descanso aos jogadores que precisavam descansar" - justificou o técnico santista, alegando que jogadores como Ávalos, Márcio, Leonardo e William fazem parte do grupo e podem resolver até em partidas em que os principais titulares estejam em campo.Luxemburgo voltou a questionar o regulamento da Copa Sul-Americana, que exige que os clubes utilizem seus jogadores mais importantes e lembrou que escalou um time que está sendo formado dentro da competição, em razão das limitações do seu elenco e do excesso de jogos. Culpou os dirigentes do clube. "Porque precisam de dinheiro e vão lá e assinam qualquer coisa. Se o presidente pedir a escalação do melhor e eu entender que não é possível, pego meu boné e vou embora." Sobre os ausentes Deivid e Basílio, Luxemburgo explicou que eles não ficaram nem no banco porque estavam com problemas físicos: "Não podemos correr certos riscos. O Santos está jogando praticamente dez jogos por mês - foram 29 em 93 dias - e por isso é preciso dar descanso a alguns titulares." O técnico fez questão de dizer que ficou satisfeito com o rendimento de todo o time, em especial com o futebol apresentado pelos garotos Leonardo e Márcio. "Márcio já havia jogado, e jogado bem, uma vez como titular, contra o Flamengo-RJ e neste domingo voltou a atuar muito bem. Leonardo também foi bem. Esse é um jogador que venho preparando e que vai ter muito sucesso dentro de pouco tempo. Também Ávalos mostrou a importância que tem para o grupo. Ele ficou marcado por um lance infeliz contra o Corinthians, no primeiro turno do Campeonato Brasileiro, mas já foi muito bem no clássico do meio da semana (Santos 1 x Corinthians 1) e neste domingo repetiu a atuação." Apesar de o time só ter chegado à vitória quando estava com sete titulares em campo - Mauro, Paulo César, André Luís, Léo, Preto Casagrande, Ricardinho e Elano, além de Fabinho, que vem substituindo o contundido Zé Elias -,Luxemburgo afirmou na coletiva de imprensa que só colocou Elano e Ricardinho em campo porque William e Ávalos sentiram dores musculares.Elano saiu de campo acusando o zagueiro Lugano, do São Paulo, de violento. "Lugano é muito violento e só sabe jogar desse jeito." Mais tarde, na coletiva de imprensa, procurou não criar polêmica. "Não sou só eu que falo. Todos estão vendo. Mas vou deixar esse assunto para lá.Ele não merece que eu fale sobre ele. Prefiro pensar no meu time e no Campeonato Brasileiro", afirmou o autor do gol da vitória santista.Enquanto alguns titulares não ficaram no banco no clássico, Elano teve trabalho dobrado neste domingo. Cedo participou de um trabalho físico com o restante do time principal e, à tarde, acabou entrando e decidindo o jogo. "O Melo (Antônio Melo, preparador físico) mostrou que é importante treinar até no dia do jogo." Elano dividiu gol com o seu companheiro de quarto nas concentrações, Paulo César, que fez o cruzamento para que ele cabeceasse para as redes. "Até que enfim o meu amigo cruzou uma bola para que eu fizesse o gol", brincou. Paulo César também se queixou de Lugano. "Ele fala demais". Porém, não confirmou que seja violento. "Isso, só os atacantes podem falar." Luxemburgo preferiu dizer que cabe ao juiz coibir a violência. "O árbitro tem que ficar atento para o que ocorre fora do lance de bola.Quanto aos nossos jogadores, só não pode pipocar ou permitir que adversário tente ganhar no grito." Nesta segunda-feira, os jogadores do Santos estarão de folga e a reapresentação foi marcada para terça-feira à tarde, quando serão iniciados os treinamentos para o jogo de sábado à noite, contra a Ponte Preta, na Vila Belmiro, pelo Campeonato Brasileiro.O técnico chegou a pensar em levar os jogadores para uma semana de trabalho especial em Atibaia, mas acabou desistindo da idéia, resolvendo dar uma folga maior para compensar a seqüência de jogos e as concentrações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.