Luxemburgo volta a paquerar clubes

Os holofotes voltaram a focar Vanderlei Luxemburgo, que estava meio apagado desde a saída do Cruzeiro, no fim de fevereiro. Depois de algumas semanas na Europa, descansando e curtindo a família, o treinador iniciou os contatos para retornar ao mercado de trabalho o mais rápido possível. Sua prioridade é a Europa, mas, se não conseguir nada no Velho Continente, já ficará satisfeito em dirigir alguma equipe brasileira, comenta. "Desde que o clube tenha estrutura, ofereça boas condições e se planeje", condiciona. "Pode ser um Goiás, um São Caetano, um Atlético-PR..." Seu nome passou a ser bastante comentado na Vila Belmiro, após os incidentes entre Leão e a diretoria. Luxemburgo garante que não recebeu nenhum convite. Afirmou, até, que pretende ligar para Leão para dizer que não houve nenhuma sondagem por parte dos santistas. Mas não descarta comandar a equipe do litoral paulista, caso receba oferta. "Não tem problema nenhum." Em 1997, treinou o Santos, com o qual conquistou um Torneio Rio-São Paulo. Sua saída, no entanto, foi cercada por problemas. Torcedores e dirigentes criticaram o modo como deixou o clube. "Paguei a multa rescisória e saí normalmente." Os cartolas e o técnico consideram o episódio superado. Não acreditam ser um empecilho para um novo casamento. Nos últimos meses, foi assediado pelo Fluminense, que lhe fez proposta. "Mas recusei, porque queria descansar", contou. E foi procurado por Raimundo Queiróz, presidente do Goiás. Também não houve acerto. Luxemburgo está, amanhã, em São Paulo, onde participará do lançamento do livro ?É Campeão?, a partir das 19 horas, na Livraria Cultura do Shopping Villa Lobos - a obra, de autoria do jornalista Ingo Ostrovsky, mostra a trajetória vitoriosa do Cruzeiro em 2003 sob a ótica do treinador. O técnico pretende, após o trabalho de divulgação, contatar pessoas ligadas a clubes europeus. "Quero ver se existe um espaço na Europa, é importante abrir esse mercado para o técnico brasileiro. Mas, se não houver, trabalharei motivado do mesmo jeito no Brasil." Em março, foi à Espanha para visitar a filha Vanessa e o genro Fabiano, ex-meio-campista do Santos e do São Paulo, que atualmente defende o Albacete. "Fui para descansar, não fiz nenhum contato profissional." Na Europa, viu vários jogos, como Real Madrid x Bayern de Munique, pela Copa dos Campeões, e Milan x Juventus, pelo Campeonato Italiano. Conversou com jogadores brasileiros, como Ronaldinho Gaúcho e Roberto Carlos, mas voltou ao Brasil sem ter alinhavado nada no campo profissional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.