Luxemburgo x Muricy, duelo dos reis dos pontos corridos

Juntos, os atuais treinadores de Palmeiras e São Paulo conquistaram quatro dos últimos cinco Brasileiros

Juliano Costa e Marcius Azevedo - Jornal da Tarde,

14 de outubro de 2008 | 22h10

Vanderlei Luxemburgo e Muricy Ramalho não têm estilos parecidos. Longe disso. Mas uma coisa os dois rivais do jogo de domingo, no Palestra Itália, sabem fazer como nenhum outro treinador no Brasil: conduzir bem um time em campeonato por pontos corridos.Veja também:Luxemburgo admite vantagem por jogar no Palestra ItáliaTécnico Muricy Ramalho dispara contra confiança do PalmeirasDerrota não tira ninguém da briga, afirmam palmeirensesArtilharia dividida é arma do São Paulo em clássico  Dê seu palpite no Bolão Vip do LimãoEsse formato de disputa foi adotado pela CBF em 2003. Das cinco edições realizadas até agora, Luxemburgo e Muricy conquistaram quatro. O atual técnico do Palmeiras faturou o título com o Cruzeiro, em 2003, e o Santos, em 2004. Já o treinador do São Paulo foi bicampeão em 2006 e 2007, ambos no comando são-paulino.O único intruso nessa galeria é Antonio Lopes, campeão com o Corinthians em 2005. Mesmo assim, Muricy reclama até hoje que seu Internacional só não ficou com aquele título porque o time corintiano foi beneficiado pela remarcação de 11 jogos apitados por Edílson Pereira de Carvalho, o pivô da Máfia do Apito, quadrilha que manipulava resultados para beneficiar apostadores. Já Luxemburgo não disputou o Brasileirão naquele ano porque estava no Real Madrid, da Espanha."É uma competição que, particularmente, eu sei disputar", admite Muricy, sem modéstia. E é exatamente por conhecer o caminho das pedras que o treinador sabe o quanto é importante vencer o Palmeiras no domingo. Hoje, o São Paulo, em quarto lugar, está dois pontos atrás dos palmeirenses, que são vice-líderes com 54 - o primeiro é o Grêmio, com 56. "Claro que é um jogo importante, mas não podemos achar que o campeonato irá acabar no domingo."Luxemburgo não pensa diferente de Muricy. "Se o Palmeiras ganhar, abre cinco pontos de vantagem sobre um concorrente direto. E se perder, fica para trás, mas nada que decida o campeonato", avaliou o comandante palmeirense.Nos cálculos de Luxemburgo, seu time precisa somar 21 pontos em 27 possíveis para levar o título. "Acredito que 75 pontos sejam suficientes para ser campeão. Com 76 garante matematicamente", avisou o treinador.Já Muricy não quer nem saber de fazer contas. "Depois do jogo contra o Atlético Mineiro (empate por 1 a 1), nós definimos que tínhamos de ganhar todos os jogos. E é assim que vamos trabalhar até o final da competição", explicou.Para alcançar o objetivo novamente, tanto Luxemburgo quanto Muricy sabem o que precisam fazer nesta reta final. "Quem não pontuar fora de casa, certamente vai ficar fora da disputa", disse o palmeirense. "O segredo é ganhar jogos como visitante", concordou o são-paulino.PREPARAÇÃOOs dois técnicos adotaram planejamentos diferentes na semana do clássico. Enquanto Muricy preferiu treinar no CT da Barra Funda sem regime de concentração, Luxemburgo levou os jogadores para Atibaia, no interior paulista."Não existe motivo para sair daqui. Temos tudo aqui. Eles vão ficar aqui o dia todo porque vamos treinar em dois períodos, mas depois eles vão para casa. É importante neste momento o jogador ter chance de ficar com a mulher, brincar com os filhos", afirmou Muricy.Luxemburgo, do outro lado, pensa totalmente diferente: "Viemos pra cá em Atibaia para trabalhar, não para ter sorte. Não adianta ficar fazendo churrasquinho na piscina esperando a sorte chegar. Tem que trabalhar. Viemos para preparar os jogadores. Aqui, eles vivem o jogo. A concentração é importantíssima. Quem tem um Centro de Treinamento como o Santos, não precisa viajar. Mas quem não tem, gasta uma graninha a mais."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.