Valentyn Ogirenko/Reuters
Valentyn Ogirenko/Reuters

Lyon empata com Shakhtar e se classifica na Liga dos Campeões; City avança em 1º

Equipe francesa vai às oitavas de final com empate por 1 a 1, fora de casa

Estadão Conteúdo

12 Dezembro 2018 | 20h06

O Lyon sofreu, mas conseguiu a classificação para as oitavas de final da Liga dos Campeões. Jogando na Ucrânia diante do Shakhtar Donetsk, nesta quarta-feira (12), a equipe francesa arrancou o empate por 1 a 1, garantindo o segundo lugar no Grupo F. 

O Shakhtar até fez a festa de sua torcida e saiu na frente aos 21 minutos, com gol totalmente brasileiro: Ismaily cruzou da esquerda e Junior Moraes finalizou para a rede. Mas, na etapa final, aos 19 minutos, Fekir recebeu de Memphis Depay na entrada da área e colocou no ângulo para marcar o gol da classificação.

Quem também suou no grupo foi o Manchester City, que acabou fazendo a lição de casa ao derrotar o Hoffenheim, de virada, pela última rodada da chave. Já classificada, a equipe inglesa garantiu a primeira colocação com o triunfo por 2 a 1. Os resultados deixaram o City na ponta da chave com 13 pontos, seguido pelo Lyon, com oito. Terceiro colocado, o Shakhtar terminou com seis pontos e, como prêmio de consolação, disputará a fase final da Liga Europa. A lanterna ficou mesmo com o Hoffenheim, com três pontos.

Apesar do triunfo do City, o Hoffenheim foi quem começou na frente. Aos 14 minutos, Ederson voou para fazer linda defesa em chute colocado de Kramaric. Na cobrança de escanteio, porém, Laporte atropelou Hubner e o árbitro marcou pênalti. Desta vez, Kramaric levou a melhor sobre o goleiro brasileiro.

O gol levou o City para o ataque, mas o time não exibia a qualidade costumeira. As chances, então, vieram pelo alto, e não foram poucas. Aos 18, Gabriel Jesus recebeu escanteio da esquerda e parou na trave. Dois minutos mais tarde, Stones exigiu grande defesa de Baumann. Aos 33, Joelinton quase marcou contra, acertando o travessão após falta da esquerda.

De tanto insistir, o City chegou ao empate em jogada de bola parada, mas em finalização precisa de Sané, em falta cobrada próxima à meia-lua, nos acréscimos. No segundo tempo, o time voltou a insistir por cima, e Baumann, inspirado, parou Laporte duas vezes na sequência, logo aos três minutos.

Na ânsia de encerrar seu jejum de mais de um mês sem marcar, Jesus foi fominha e perdeu boa chance aos sete, mas aos 10 foi o excesso de preciosismo no passe de Sané que impediu o segundo gol. O alemão se redimiria aos 15, em contra-ataque rápido, quando recebeu de Sterling e finalizou na saída do goleiro para virar e selar o resultado.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.