Má atuação contra o Chile mantém dúvidas de Felipão na seleção

Treinador ainda não fechou o grupo da Copa das Confederações: convocação sai dia 14 de maio

ALMIR LEITE, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2013 | 09h25

BELO HORIZONTE - O saldo do empate da seleção brasileira contra o Chile foi muita dor de cabeça para o técnico Luiz Felipe Scolari. Ele creditou a má atuação à falta de treinamentos e tem consciência de que a pífia atuação no empate por 2 a 2, na noite de quarta-feira, fez aumentar a desconfiança sobre o seu time. Para tentar vencê-la, fez a promessa de praxe nessas ocasiões: "Na Copa das Confederações podem esperar uma equipe melhor treinada, mas entrosada. Sem treino, é comum o desacerto.''''

A atuação contra o Chile foi tão ruim que deixou em segundo plano as dúvidas do treinador para fechar o grupo da Copa das Confederações - a convocação será em 14 de maio. Réver e Dedé disputam a vaga na zaga e Leandro Damião e Alexandre Pato no ataque.

O atacante do Corinthians entrou no segundo tempo contra os chilenos, deu o passe para Neymar fazer o segundo gol brasileiro e acha que fez crescer suas chances de ser o escolhido. "Estou trabalhando, tenho aprendido muito no Corinthians e estou pronto para assumir responsabilidades se for o escolhido. Vou continuar trabalhando no Corinthians e buscar a convocação", disse Pato.

Um sinal claro de que o baque foi sentido foi a atitude da CBF, que durante a madrugada de quinta-feira divulgou em seu site a programação da seleção até a Copa do Mundo de 2014. O extenso planejamento confirma a data de apresentação do grupo que disputará a Copa das Confederações para 27 de maio próximo: ou seja, a seleção terá 18 dias para treinar e disputar dois amistosos antes da estreia na competição, dia 15, contra o Japão, em Brasília. Mas os primeiros dias servirão para avaliações médicas e físicas.

Felipão tem resultados fracos desde que a reassumiu a seleção. Até agora, em cinco partidas foram três empates, uma derrota e a única vitória foi sobre a Bolívia, uma das mais fracas seleções do continente sul-americano. E falar sobre isso, consequência do mau rendimento do time, o deixa irritado.

"Nós ainda não estamos prontos para a Copa das Confederações, só conseguiremos formatar um time quando tivermos mais tempo do que se apresentar na segunda, treinar na terça e jogar na quarta", respondeu na entrevista que concedeu logo após a partida. Na véspera, o treinador havia dito que o trabalho da seleção havia atingido 80% daquilo que havia planejado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.