Madson comemora gol contra Corinthians e cala críticos

Paulo Henrique Lima fez dois gols, mas quem mais comemorou depois da vitória por 3 a 1 sobre o Corinthians, neste domingo, na Vila Belmiro, foi o motorzinho do time, o meia Madson. Ele prometeu que iria marcar um e cumpriu. Foi essa a melhor maneira que o meia encontrou para acabar de uma vez com as insinuações de que é corintiano.

SANCHES FILHO, Agencia Estado

31 de maio de 2009 | 19h32

"Comemorei com o dedo na boca para meu filho ver na televisão. E quando eu chegar em casa vou cantar para ele: veja quem chegou, e o papai que prometeu e fez o gol", festejou o camisa 10, que saiu de campo sob aplausos dos torcedores.

"O que me deixa mais alegre é que, além de o Santos estar reagindo bem, o torcedor reconhece o meu esforço para ajudar o time", disse, satisfeito, por ter o nome gritado pela torcida. A situação contrastou com o fim do jogo com o Goiás, na segunda rodada do Brasileiro, quando foi ofendido por torcedores, que o chamaram de corintiano.

A frustração pela goleada prevista contra o time B do Corinthians foi compensada pela atuações especiais de alguns santistas. Paulo Henrique Lima foi um deles. "Marquei dois e poderia ter feito mais", ressaltou Paulo Henrique Lima ao sair de campo. "Madson foi feliz e matou o jogo. O importante foi que ganhamos do Corinthians que não conseguíamos derrotar há três jogos", acrescentou.

Mancini também ficou satisfeito com os dois gols do armador porque mostra que o seu time deixou de depender apenas do atacante Kléber Pereira. "O que é bom porque quando o time depende de um atacante, fica em dificuldade se ele for bem marcado. Além disso, o técnico fica com um leque maior de opções para armar ofensivamente a equipe", explicou o treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.