Máfia do apito: Pololi se diz inocente

Vanderlei Pololi deu a primeira entrevista desde que saiu da prisão e garantiu nada ter a ver com o escândalo na arbitragem. Em entrevista nesta terça-feira, ele negou ser o responsável por aliciar árbitros para o esquema e contou que, se a Justiça pedir a quebra de seu sigilo bancário, ?estará perdendo tempo.?Sobre os 10 dias que ficou na carceragem da Polícia Federal, em São Paulo, Pololi reclamou da comida, que definiu como ?indecente e imoral?, e afirmou ter feito grandes amizades com outros presos, como o ex-prefeito Paulo Maluf, uma ?pessoa encantadora?.Vanderlei Pololi tem 52 anos e é mesário da Liga Piracicabana de Futebol. Seu nome foi citado no depoimento do ex-árbitro Paulo José Danelon, que é réu confesso no esquema de manipulação de resultados. Por isso, ele ficou preso na PF, para tentar esclarecer sua participação no caso.Na entrevista no escritório do seu advogado, Constantino Sérgio de Paula Rodrigues, Pololi disse que sua preocupação no momento é com a sua saúde e com o bem-estar de sua família - esposa e um casal de filhos. Além disso, quer terminar, até dezembro, as sete matérias que faltam para concluir o curso deDireito na UNIMEP, iniciado em 1982. Pololi revelou que possui hábitos simples, reside em bairro de classe média baixa, Vila Monteiro, numa casa alugada com dois quartos para três pessoas, e possui um Ford Scort ano 94, financiado com a ajuda de parentes. Fez questão de dizer que o rendimento mensal da família está em torno de R$ 2 mil e que o pagamento da faculdade, desde que reiniciou o curso, em agosto deste ano, é feito pela filha. Juridicamente, a situação de Pololi está como antes, sem nenhuma restrição. "Sofreu a prisão temporária, esse absurdo do Direito brasileiro", afirmou o advogado dele, que garantiu estar trabalhando de graça, ?por uma gentileza pessoal?. "Vou provar que Vanderlei é inocente, que não existem gravações que o acusem, que não foi a Jacareí, que não participou de nada. Ele é uma pessoa coerente, pai de família, o passado dele é inocente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.