Magoado, Júnior anuncia saída do Fla

Depois do fracasso no Campeonato Brasileiro - durante boa parte do ano a equipe esteve à beira do rebaixamento - o diretor-técnico Júnior anunciou nesta terça-feira que está deixando o Flamengo. Em entrevista coletiva realizada pela manhã ele lembrou que sua maior dificuldade no clube foi administrar o conflito entre os chamados dirigentes amadores e profissionais. Aborrecido, ele concluiu que os profissionais (do qual fazia parte) foram derrotados. ?É um retrocesso e fico bastante preocupado com o futuro do Flamengo. Saio magoado, e sei que cumpri apenas a metade de minha missão?, disse Júnior. Junto com ele, José Maria Sobrinho deixa o cargo de diretor-executivo e o técnico Andrade também deve ir embora. A saída de Júnior encerra um ano de crise na Gávea. Além das sucessivas brigas internas entre os dirigentes, houve seguidos atrasos de salários; protesto de jogadores e a forte pressão da torcida. Duas situações foram emblemáticas nesta temporada. O boicote que os jogadores promoveram contra Dimba - o atacante recebeu adiantado, enquanto que os demais enfrentavam sucessivos atrasos no pagamento dos salários; e a agressão de Julio Cesar e Zinho a um torcedor, na chegada do time ao Rio, após a goleada (6 a 1) sofrida diante do Atlético Mineiro. O presidente Márcio Braga já prepara o time para a temporada 2005. O dirigente sonha com Tite, mas o técnico do Corinthians teria pedido alto. Gostaria de ganhar acima de R$ 100 mil por mês, além de querer levar sua própria comissão técnica. Por conta disso, a diretoria já começa a sondar outros nomes. O time também deverá sofrer uma mudança radical. Julio Cesar deve ser o primeiro a sair: vai jogar em Portugal em 2005. Felipe e Athirson podem seguir o mesmo caminho. Juliano, Whelliton, Negreiros, China, Douglas Silva, Valdomiro, Saraiva, Dill e Valentim deverão ser dispensados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.