Magrão fora. Estevam renova na terça

O meia Magrão, ídolo da torcida do Palmeiras, se despediu neste doimngo do clube com um discurso emocionado e a certeza do dever cumprido. Ele fez várias declarações de amor ao Alviverde e deixou no ar a possibilidade de voltar um dia a vestir a camisa verde e branca. "Foram 5 anos de Palmeiras, estou triste com a situação, mas jogar na Europa é o sonho de todo jogador. Chegou a minha hora de sair", disse Magrão, referindo-se à transferência ao Moscou, equipe russa que era conhecida até recentemente como Torpedo."A negociação está sendo concretizada, mas ainda não tem nada certo", tentou desconversar, em seguida, quando integrantes da comissão técnica do Palmeiras se aproximavam para atravessar a sala de entrevistas. Segundo contou Magrão, a meta do Moscou é conquistar uma vaga na Liga dos Campeões de 2006. "Não é um adeus é um até logo", disse. "Em 2004 vivi o melhor ano de minha carreira, e ainda fui contemplado com o nascimento de meu filho e convocado para a seleção brasileira". Ele considerou a quarta colocação no Campeonato Brasileiro como boa e em acordo com as "limitações do Palmeiras". "É uma equipe aguerrida, mas o que faltou foi um pouco mais de qualidade técnica." Para Magrão, os tropeços contra Flamengo e Guarani foram determinantes. Ele foi mais longe e admitiu que o time subestimou os adversários e que, por isso, não brigou pelo título até a última rodada da competição.Tão envolvido com a ida para o Moscou, Magrão voltou a falar sobre o assunto quando lhe perguntaram sobre a amizade com Vagner Love, que joga no CSKA. Disse que conversam sempre por telefone. Magrão afirmou não acreditar que a transferência para a Rússia lhe afaste das convocações para a seleção. "Com a globalização, o que se faz lá fora é visto no Brasil, não acho que isso vai me prejudicar. Saio feliz, com a sensação de dever cumprido, de classificar o Palmeiras para a Libertadores." Para o técnico Estevam Soares, a temporada de 2004 foi muito boa no aspecto pessoal e profissional. "Coloquei a Ponte Preta na liderança do Brasileiro, depois larguei o clube para me transferir para o Palmeiras e hoje concretizei o objetivo: a classificação à Libertadores. É bom estar num nível de técnico de ponta." Ele disse que vai se reunir na terça-feira com a diretoria a fim de traçar os planos para 2005. "Vamos ter dificuldades para montar o elenco, tem muita gente indo embora. Precisamos de quatro ou cinco reforços para montar uma boa equipe, competitiva." Conforme já anunciara, o técnico vai renovar o contrato com o Palmeiras, por mais 12 meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.