Magrão já está valendo R$ 40 milhões

Basta ler o contrato de Magrão com o Palmeiras, prorrogado recentemente até 2007, para se ter a exata noção de sua importância para o clube. Uma das cláusulas estabelece uma multa elevada (cerca de R$ 40 milhões) caso ele seja negociado com algum clube do exterior.O jogador nega ter recebido propostas, apesar de empresários ligados a clubes italianos e japoneses já terem sondado o presidente Mustafá Contursi. E revela, mais uma vez, que o sonho de defender a seleção brasileira não acabou."Vejo apenas duas possibilidades de vestir a camisa amarela: ou jogando em um time de ponta, como o Palmeiras, ou me transferindo para um clube grande da Europa. Mas não vou jamais lutar pelo meu espaço fazendo autopromoção. Quero que as coisas aconteçam como resultado do meu trabalho."Para isso, Magrão precisou rever seu comportamento dentro e fora de campo. E, aos poucos, foi deixando de agredir os adversários e de reclamar seguidamente com os árbitros."Eu estava sempre metido em confusões. Não esqueço até hoje de uma em 1999, quando defendia o São Caetano. Em uma partida contra o Bahia, na Fonte Nova, troquei chutes com o Lima mas fui expulso sozinho. Os reservas do São Caetano ficaram tão revoltados que invadiram o campo e todos foram expulsos também. A situação só começou a mudar em 2002, quando fui apresentado à psicóloga Suzy Fleury. Depois de algumas sessões, ela me fez enxergar que eu só venceria na vida com tranqüilidade. Vamos pegar como exemplo a discussão que tive com o Alceu, há dez dias. Imagine o que não iriam falar de mim se eu tivesse soltado o braço."Magrão vive um momento especial, curtindo a gravidez da mulher Andréia. Pedro, seu segundo filho, nasce em maio: um motivo que acabou pesando no momento de aceitar a prorrogação de seu contrato, mesmo sabendo que, se não o fizesse, viraria dono de seus direitos federativos a partir do ano que vem."O negócio foi bom tanto para mim quanto para o Palmeiras. Afinal, se não aparecer nenhuma proposta interessante para deixar o País, ficarei em um clube que me acolheu e cuja torcida aprendeu a gostar de mim e a me respeitar. Só lamento não participar do desfile da Mancha (que ocorreria na madrugada de hoje). Não seria legal deixar minha esposa sozinha em casa em um momento importante como esse para curtir o carnaval."O maior desejo do volante dentro de campo é dar a volta olímpica ganhando o Campeonato Paulista ou a Copa do Brasil pelo Palmeiras. Seria uma forma de calar os que criticaram a diretoria pela falta de contratações de peso para esta temporada."Este time já mostrou que é vencedor. Mas como venceu um campeonato da segunda divisão, ainda é visto com reservas. Garanto que não ficamos devendo nada a ninguém. Temos condições de incorporar o espírito do Robert Scheidt (velejador seis vezes campeão mundial), como o Picerni (técnico Jair Picerni) nos pediu. A união que existe aqui já fez e continuará fazendo a diferença."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.