Magrão não agüenta mais esses vexames

Ele seria o jogador que menos teria de dar explicações. Tem um acordo firmado com a nova diretoria do Palmeiras: assim que acabar a Copa Libertadores, Magrão estará liberado para ganhar dinheiro no F.C. Moscou ou no Werden Bremen. Quem pagar mais o levará.Foi justamente Magrão o mais revoltado com o vexame no Morumbi. Ao contrário do apático jovem grupo de jogadores que fugiu das entrevistas. "Eu não sou o guarda-chuva do Palmeiras. Não posso ser cobrado pelos outros. Tenho de fazer o meu. Não dá para carregar ninguém nas costas", desabafou.Magrão falou e reconheceu que o São Paulo foi muito superior ao Palmeiras. E não teve dúvida em tocar na ferida que a diretoria não quer ver: o time é fraco. "Ficou provado com a derrota por 3 a 0 que o problema do Palmeiras não é e nunca foi técnico. O Estavam já saiu e veio o Candinho, mas ele não pôde fazer nada."Disse mais: "Se a equipe é fraca? Eticamente eu não posso falar. Não vou criticar os meus companheiros. Não vou ficar pedindo reforços, que não é meu papel. Nem quero jogar um contra o outro, mas as coisas não podem continuar assim. Estamos indo de mal a pior."Essas declarações ele deu quando a impiedosa torcida do São Paulo fazia o coro que lembrava uma velha marchinha de carnaval. "Ei, você aí...É tão pequenininho que parece o Guarani..."Magrão reconhece que o grupo imaturo que entrou pressionado em campo sentiu demais o primeiro gol do São Paulo. "Entramos com a obrigação de jogar bem. O time estava há quatro partidas sem vencer. E logo a quatro minutos sofre o primeiro gol. Isso nos arrebentou. Pelo menos não faltou vibração. Correr, o time correu, só que não conseguiu nem marcar direito e muito menos criar."O líder que Candinho escolheu para tentar acalmar os jovens jogadores admitia que as partidas contra o Tacuary na ?pré - Libertadores? desestruturam os planos para o Campeonato Paulista. "Nós começamos bem o Paulista, mas aí jogamos contra o Tacuary. Nos empolgamos com a classificação e só desviamos o foco do Paulista. O grupo foi imaturo e está sofrendo as conseqüências: derrotas e críticas e mais críticas. Fizemos tudo errado."Magrão confirmou ter ouvido que a diretoria do F.C. Moscou aumentou a proposta para contratá-lo. "Agora eu não saio. Deixa a Copa Libertadores acabar e o Palmeiras reagir. Não quero sair com o time do jeito que está."

Agencia Estado,

20 de fevereiro de 2005 | 21h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.