Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Magrão perde 3 dentes num choque em campo

Magrão saiu do estádio Anacleto Campanella direto para a mesa de cirurgia. Além dos três pontos que o Palmeiras deixou de ganhar, comprometendo a sua campanha no grupo 2 do Paulista, o volante perdeu três dentes após um choque com o lateral-esquerdo Zé Carlos, do São Caetano.O incidente quase acabou numa briga entre os dois jogadores. Magrão foi contido por seus companheiros e saiu de campo xingando e prometendo vingança ao adversário.Antes de Magrão receber a imprensa, o médico Maurício Bezerra já havia informado que o volante seria encaminhado a um buco-maxiliar, especialista da área. Ele explicou que o jogador perdeu os dois pivôs anteriores. Na verdade, foram três. Curioso é que após o jogo, 12 pessoas voltaram ao gramado para procurar os dentes do volante palmeirense. O massagista Maurício acabou encontrando os três dentes e vibrou como se tivesse feito um gol, dando um soco no ar.Magrão saiu de campo todo ensanguentado. O volante estava extremamente nervoso e teve de ser acalmado pelo técnico Jair Picerni no vestiário. Quando saiu para conversar com a imprensa, ele já conseguia controlar os seus nervos. Esforçou-se para não perder a linha. Mas disse que não aceitaria um eventual pedido de desculpas de Zé Carlos."Não quero papo com ele. Não tem essa de desculpa. Tem que ser homem. Machucou, machucou", avisou Magrão. De acordo com o volante palmeirense, não há nenhuma rixa com Zé Carlos. "Nem conheço ele. Esse cara está chegando agora. Só sei uma coisa: se fosse eu que tivesse quebrado três dentes de um adversário, quero ver o que falariam de mim."Em seguida, Magrão fez um novo desabafo. "É duro você ir para o trabalho e sair do estádio direto para uma mesa de cirurgia. Perdi três dentes. Perdi, não. Hoje mesmo acharam. Só que há um prazo para reimplantá-los. Sabe, é melhor eu ficar quieto, porque se eu falar tudo o que estou sentindo, seria muito pesado. Poderia até prejudicar o meu clube", disse.Em meio à entrevista, Magrão acabou sendo arrastado pelo diretor Mário Gianini para longe da imprensa. O clima ficou tenso com um dos repórteres. Depois disso, apareceu o técnico Jair Picerni, que estava tão indignado quanto o próprio Magrão. "Do jeito que está a boca do Magrão é incrível", desabafou o treinador. O próprio Jair, no entanto, disse que prefere esperar a repetição do lance na tevê para avaliar se houve ou não maldade por parte de Zé Carlos. "É melhor ver o lance para depois falar. Mas não pode. No futebol tem que haver disciplina e respeito ao adversário."O treinador palmeirense também saiu de campo irritado com o resultado. Segundo Picerni, pelo que as duas equipes fizeram, o Palmeiras não mereceu a derrota. "Futebol é organização do início ao fim. Vacilamos no começo e eles aproveitaram. Fizeram o gol e depois se defenderam. Tivemos chances, mas pecamos nas finalizações. Mesmo não jogando uma boa partida tecnicamente merecíamos ao menos o empate", lamentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.