Magrão vira o símbolo do Palmeiras

Não foi por acaso que Magrão foi o primeiro a aceitar subir no ônibus do Palmeiras para comemorar com os torcedores da Mancha Verde. Ele assume ser o representante da torcida dentro de campo. Compensa a técnica não muito refinada com luta. Os palmeirenses perceberam a devoção e retribuíram com abraços, agradecimentos e cerveja.?A torcida gosta muito de mim porque entendi como ela se sentiu com o rebaixamento no ano passado. E por isso lutei tanto. Dei tudo para o Palmeiras subir?, desabafava o volante. ?Tinha sido mandado embora do clube, não estava na equipe que caiu. Mas fiz a minha parte agora nesta volta por cima. Por isso chorei tanto de felicidade quando acabou o jogo contra o Sport. Só palmeirense de verdade para entender?, disse, depois de, por educação, aceitar tomar um gole de cerveja oferecido por um torcedor, na manhã deste domingo.Magrão relembrava das lágrimas em Garanhuns. ?Eu tinha muita coisa guardada no meu coração. Havia sido injustiçado no Palmeiras (quando foi afastado por Vanderlei Luxemburgo, em 2002, e emprestado ao São Caetano). Eu tinha de dar a volta por cima. Era muita injustiça com a minha carreira.?No início do ano, quando o Palmeiras contratou Jair Picerni, terminou o empréstimo de Magrão ao São Caetano. Foi a coincidência com que o jogador sonhava. ?Eu e o Jair temos uma ligação que vai muito além do futebol. Somos amigos de verdade. Ele decidiu me aproveitar no Palmeiras porque sabia como poderia ajudar o time. Foi muita sorte ter o Jair como técnico na luta para devolver a dignidade ao Palmeiras.?Magrão lamentou demais o fato de sua avó ter morrido em 1997 e não ter podido acompanhar o sucesso do neto. ?Este é um dos momentos mais felizes da minha vida. Queria demais que ela visse. Mas reparto essa alegria com minha mulher grávida e meu filho.?Os comentários são insistentes de que o jogador tem uma proposta irrecusável para atuar no futebol japonês. Mas ele não parece estar decidido a sair justo agora que o clube voltou à divisão de elite.?Sei o quanto sofremos para conseguir ganhar a segunda divisão. Quero viver esse momento feliz com o Palmeiras. Acabou a vergonha de usar a camisa do clube. Todos podem desfilar com orgulho novamente. Não devemos nada a corintianos e são-paulinos. É hora de mostrar amor pelo Palmeiras?, avisou Magrão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.