JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Maicon admite que pressão para fugir do descenso está atrapalhando o São Paulo

Zagueiro avisa que equipe tem que melhorar a pontaria : "Quem não faz, toma"

Paulo Favero, Estadão Conteúdo

13 Outubro 2016 | 23h28

Os jogadores do São Paulo reconhecem que a pressão por estar na parte de baixo da tabela de classificação do Campeonato Brasileiro tem atrapalhado o time. A torcida está na bronca, os resultados não têm aparecido e a cobrança está sendo bem grande. Nesta quinta-feira, mais um insucesso: derrota por 1 a 0 para o Santos, no estádio do Pacaembu, na capital paulista.

Para o zagueiro Maicon, os atletas terão de aprender a lidar com isso para não fracassarem na temporada. "Uma equipe grande como o São Paulo já tem pressão quando está em cima, imagina quando não está. Ficar perto da zona de rebaixamento é difícil. Agora cabe a nós nos próximos oito jogos dar a volta por cima para sair dessa situação", explicou. 

Ele entende que o time poderia ter feito a sua parte se marcasse os gols. "É aquele ditado que diz que quem não faz, toma. Pressionamos, mas acabamos sofrendo o gol e é um resultado negativo para a gente. Acho que podíamos ter feito o gol, não fizemos quando tivemos chance, então somos culpados da derrota", completou o zagueiro.

O jogador saiu de campo com o olho roxo e explicou que tomou uma cotovelada do atacante santista Copete. "Ele deu uma cotovelada na minha cara, o árbitro disse para mim que viu, mas não quis expulsá-lo. Com um jogador a mais poderia ter sido diferente, mas não temos de colocar a culpa na arbitragem", avisou Maicon.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.