Bruno Santoni / Santos FC
Bruno Santoni / Santos FC

Maicon vê o Santos em evolução e com totais condições de superar o Palmeiras

Zagueiro afirma, em entrevista coletiva nesta sexta-feira, que time está preparado para reverter retrospecto negativo contra o rival

Redação, Estadão Conteúdo

27 de maio de 2022 | 16h10

Desde um 2 a 0 em outubro de 2019 pelo Brasileirão que o Santos não supera o Palmeiras. Nos últimos cinco jogos, somente derrotas. O jejum incomoda os santistas, mas o zagueiro Maicon esbanja confiança que a marca negativa chegará ao fim no domingo, na Vila Belmiro. Na visão do defensor, a equipe está em evolução e pronta para festejar o retorno de triunfos contra o oponente.

"A gente vai dar nosso melhor, fazer o possível para sair com a vitória. É um jogo diferente, um clássico. Em todos que disputei, vi que foram feitos para ganhar e temos condições", afirmou Maicon. "Clássico se disputa para ganhar e tenho certeza que vamos, o time vai jogar em casa. Não digo que é favorito, porém se eliminar erros o máximo possível, diante de uma grande equipe, de qualidade, O Santos tem boas chances."

Santista de coração, assim como toda sua família, Maicon não vê a hora de dar mais uma alegria para a torcida. "É um jejum que ninguém quer, mas o clássico tem um sabor especial, e domingo será outro jogo, outra atmosfera, com casa cheia, e o Santos tem tudo para sair com um resultado positivo", previu, novamente esbanjando confiança.

O zagueiro ainda deu a dica para o Santos sair vencedor. "Sabemos que o Palmeiras tem um ataque bastante leve e rápido, que joga no contra-ataque. Ciente disso, vamos tentar eliminar o espaço, o Rony é um jogador de bastante intensidade, e se eliminá-lo, isso pode nos facilitar. A concentração também fará a diferença, a maneira como se entra em campo vai ditar o resultado. E estamos bem concentrados."

Maicon revela que o time iniciou a temporada com complicações por causa da covid-19, o que atrapalhou bastante na forma física e para a não classificação ao mata-mata no Paulistão. Hoje ele vê o Santos "voando" e pronto para encarar qualquer adversário.

"A equipe está crescendo, evoluindo bastante, principalmente na parte física, que é o que ajuda bastante. No começo sofremos com a covid-19 e isso acabou atrapalhando. Cheguei depois, mas vi que a intensidade, o ritmo, o treino mudou e estamos mais fortes e competitivos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.