Site/Atlético
Site/Atlético

Maidana projeta 'jogo mais difícil' do Atlético-MG com o Paraná

Para o zagueiro, equipe já rebaixada joga sem pressão na quarta-feira no Paraná

Estadão Conteúdo

12 de novembro de 2018 | 19h02

Não foi no último domingo que o Atlético-MG voltou a vencer no Campeonato Brasileiro, mas a atuação no empate por 1 a 1 diante do líder Palmeiras, no Independência, deixou a equipe mais confiante. Ao menos foi o que diagnosticou o zagueiro Iago Maidana em entrevista coletiva nesta segunda-feira.

"Ontem, deu para ver que a gente é capaz. No segundo tempo, o Palmeiras ficou todo atrás, a gente atacando. Não tiveram nenhuma chance de gol, só o pênalti. Então, acho que a gente é capaz de se fechar ainda mais, entrar com mais vontade, mais raça. Esse tipo de jogo é importantíssimo para que retomemos nossa confiança, e a gente espera fazer outros bons jogos", declarou.

Para seguir reagindo, o Atlético-MG tem, em teoria, o adversário certo na próxima rodada. Afinal, nesta quarta-feira visita o Paraná, lanterna do Brasileirão e já rebaixado à Série B do ano seguinte. Maidana, no entanto, não pensa assim. Para ele, esta pode ser a partida mais difícil de todo o campeonato.

"Agora, eles jogam sem pressão nenhuma, sem objetivo, sem buscar nada. Então, esse é o jogo mais perigoso para a gente no campeonato. O Paraná veio aqui e venceu o América-MG, que buscava sair da zona de rebaixamento. Temos que ter muito cuidado para não cair na armadilha deles", considerou.

Para o confronto, o técnico Levir Culpi não poderá contar com o atacante Ricardo Oliveira, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Uma possibilidade para substitui-lo é o jovem Alerrandro, de apenas 18 anos, que entrou no segundo tempo do duelo com o Palmeiras. Apesar da pouca idade, o jogador se disse pronto para assumir a vaga do veterano.

"Minha cabeça está tranquila. Estou bastante preparado e, com certeza, se o Levir optar por mim, vou dar o meu melhor pelo Atlético-MG para, se Deus quiser, fazer meu primeiro gol como profissional", disse. "Acho que fui bem nas oportunidades que tive, só não saiu o gol, mas fui bem. Agora, estou mais maduro para essa oportunidade e, se ela vier, estarei confiante para fazer o gol."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.