Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Maikon faz camisa de Robinho brilhar novamente no Santos

Atuação do jogador de apenas 1,68m empolga os torcedores santistas após goleada sobre o Vasco da Gama

Sanches Filho , O Estado de S. Paulo

28 de julho de 2008 | 19h54

Depois de domingo, Maikon é o novo dono da camisa que Robinho tornou famosa. Na contramão do difícil momento do Santos, que tenta desesperadamente sair da zona do rebaixamento do Campeonato Brasileiro, Maikon Leite vai conquistando o torcedor com a mesma velocidade com que deixou para trás os jogadores de defesa do Vasco da Gama, na goleada por 5 a 2 de domingo à tarde, na Vila Belmiro. "Joguei bem e sofri os três pênaltis porque tive espaço para dominar a bola e partir em velocidade para dentro da área. Mas nem sempre vai ser assim", explicou o atacante, segunda-feira à tarde, no Centro de Treinamento Rei Pelé. Veja também: Kleber Pereira e Cuca: vamos tirar o Santos do rebaixamento O sucesso repentino foi uma surpresa até para ele. A sua preocupação agora é com a reação da torcida, caso não jogue bem nos próximos jogos. No começo do ano, Maikon era apenas um menino do sub-20 do Santo André, depois de dispensado pelo técnico Edu, das categorias de base da Portuguesa de Desportos, após quatro anos, porque não conseguia encorpar - tem 1,68m de altura e pesa apenas 62 quilos -, e passar sem ser notado pelo Nacional da capital. "Fiz poucos jogos lá. Três no Brasileiro da Série B e dois no Paulista da A-2", lembrou o garoto de 19 anos. Ao contrário de jogadores da sua idade, ele evita badalações e até entrevistas. Depois do jogo de domingo, foi para Mogi das Cruzes, onde moram seus pais e os três irmãos. O menor, de 10 anos, entusiasmado com o sucesso de Maikon, entrou para uma escolinha de futebol. Maikon não gosta de falar da família e nem dar detalhes de sua transferência para o Santos. Nas inúmeras entrevistas, não conseguia esconder o desconforto, provavelmente temendo que o técnico Cuca possa pensar que ele está "se achando". Não se lembrou de datas, nomes e procurou responder às perguntas superficialmente. "O que mais quero agora e ter uma seqüência de bons jogos e fazer um gol. Acredito que vai sair naturalmente", torce. "É isso que o professor Cuca me pede. Para entrar na área e finalizar." O Santos também não revela em quais condições Maikon Leite foi contratado. O técnico Cuca disse que ficou sabendo que o Santo André tinha um jogador veloz e que jogava pelos lados do campo. Assistiu a um jogo do time do ABC e aprovou sua contratação. Sua intenção era lapidar a promessa para ser lançado em um momento mais favorável. Mas, como a situação santista foi se agravando rodada após rodada, e Maikon mostrava nos treinos que não tinha sentido a mudança de ambiente, resolveu abreviar sua estréia. O primeiro jogo de Maikon com a camisa santista foi em 5 de julho. Ele entrou no segundo tempo na vitória do Atlético-PR por 1 a 0 na Arena da Baixada, e melhorou a produção do ataque. Foi titular desde o início nos quatro últimos jogos na Vila Belmiro. Contra o Grêmio, teve atuação semelhante à de domingo diante do Vasco. Cuca gostou do seu futebol no segundo tempo na derrota por 4 a 2 contra o Palmeiras, no Palestra Itália, e revelou após a vitória de domingo que o garoto seria o titular mesmo se o paraguaio Nelson Cuevas não estivesse machucado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.