Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Mais da metade dos times da Série A já admite recorrer à linha de crédito da CBF

Oferta de socorro financeiro para clubes durante a pandemia promete distribuir R$ 100 milhões com juro zero

Ciro Campos, Raul Vitor, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2020 | 12h20

A maioria dos times da Série A do Campeonato Brasileiro já sinaliza ter interesse na linha de crédito de R$ 100 milhões oferecida pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para socorrer equipes dos impactos financeiros da pandemia do novo coronavírus. O Estadão entrou em contato com os 20 clubes da elite nacional e 11 deles garantem que vão pedir o recurso ou indicam o interesse em avaliar a possibilidade de bater na orta da entidade no Rio.

A CBF se compromete a distribuir um pacote de R$ 100 milhões, dos quais cada clube poderia receber até R$ 5 milhões. O dinheiro será repassado sem juros e terá como garantia de devolução os contratos de direitos de transmissão e prêmios por desempenho nas competições. Na verdade, trata-se de um adiantamento de cotas que os times já teriam direito a receber. A iniciativa surgiu principalmente pela redução dos valores pagos pelas emissoras de TV entre abril e junho causada pela interrupção do calendário dos jogos.

Três times da Série A admitiram de cara ao Estadão o interesse em receber os R$ 5 milhões. São eles Sport, Grêmio e Flamengo. "Essa linha de crédito é muito boa. Vai nos ajudar bastante para pagar os salários atrasados de funcionários e jogadores. Pretendo usar o que puder para atualizar os nossos débitos. Espero que não demore para sair. A necessidade é  grande", afirmou o presidente do Sport, Milton Bivar.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Essa linha de crédito é muito boa. Vai nos ajudar bastante para pagar os salários atrasados de funcionários e jogadores
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Milton Bivar, Presidente do Sport

As equipes têm sofrido com os impactos da pandemia não só pela redução dos contratos de TV, mas principalmente pela ausência de receitas com bilheteria e patrocínios. Dos 20 times da Série A do Brasileirão, somente o Red Bull Bragantino não fez reduções salariais ao elenco. Várias equipes fecharam com jogadores diminuição de 25% nos vencimentos, juntamente com a redistribuição do pagamento dos direitos de imagem somente para o próximo ano. Se valeram da MP do governo que permite redução de 70%, 50% e 25%.

Dos clubes que sinalizaram à reportagem o interesse de estudar o possível recebimento da verba estão: Ceará, Bahia, Fortaleza, Palmeiras, São Paulo, Atlético-GO, Goiás e Vasco. Todas essas equipes vão buscar mais informações sobre a linha de crédito e, principalmente, conferir qual a quantia dos contratos de direitos de transmissão ficará comprometida futuramente em caso de receber o adiantamento da CBF. A entidade diz que o dnheiro está na conta e será repassado fecilmente.

Quem por enquanto não tem condições de aderir é o Red Bull Bragantino e o Coritiba. Os dois clubes recém-promovidos da Série B não possuem no momento acordo para os direitos de transmissão e, portanto, não teriam como oferecer garantias para receber a linha de crédito com a CBF. As equipes estavam em negociação com a Rede Globo no início do ano, porém as conversas foram interrompidas pela pandemia.

Já os demais clubes não retornaram o contato. Foram os casos de Botafogo, Fluminense, Corinthians, Santos, Internacional, Athletico-PR e Atlético-MG. A expectativa da própria CBF é de que todos os clubes aceitem a oferta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.