Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Mais forte, lado da chave do Brasil soma 10 títulos mundiais e tem 4 campeões

Argentina, França e Uruguai são as equipes mais tradicionais que podem cruzar caminho da seleção brasileira até final

Gabriel Melloni, Estadão Conteúdo

28 Junho 2018 | 17h54

A Copa do Mundo da Rússia viveu nesta quinta-feira seu último dia da fase de grupos. Com as classificações de Colômbia e Japão na chave H e de Bélgica e Inglaterra na G, todos os confrontos das oitavas de final foram definidos, e o caminho brasileiro até o possível hexacampeonato não será nada fácil.

+ Saiba quais são os jogos e horários das oitavas de final da Copa do Mundo

+ Pela primeira, todas as seleções da Copa marcaram ao menos 2 gols

A seleção de Tite caiu no lado mais difícil da chave até a final. Na trajetória brasileira em busca da decisão no dia 15 de julho, em Moscou, podem aparecer três campeões mundiais - França, Argentina e Uruguai -, além de potências como Portugal, de Cristiano Ronaldo, e Bélgica, de nomes como Hazard, Lukaku e De Bruyne.

O outro lado conta com seleções de bem menos renome, a exceção de Inglaterra e Espanha, únicas campeãs mundiais desta parte do chaveamento e que, em teoria, têm caminho bem mais tranquilo até a semifinal.

A diferença entre os dois lados da chave fica clara nos números. Do lado da seleção, são dez títulos mundiais (cinco do Brasil, dois do Uruguai, dois da Argentina e um da França), além de 16 finais (sete do Brasil, cinco da Argentina, duas do Uruguai e duas da França). Enquanto isto, do outro lado, são apenas duas conquistas da Copa (uma da Espanha e outra da Inglaterra) e três aparições em finais (Espanha, Inglaterra e Suécia com uma cada).

Mesmo com um caminho tão complicado, o Brasil é um dos favoritos ao título e inicia sua trajetória no mata-mata diante de um velho conhecido, o México, segunda-feira, às 11 horas (de Brasília), em Samara. Esta será a quinta vez que os países se enfrentam em Mundiais, sendo que a seleção nunca perdeu. São três vitórias - 4 a 0, em 1950; 5 a 0, em 1954; e 2 a 0, em 1962 - e um empate - 0 a 0, em 2014.

Se mantiver o retrospecto positivo contra o rival, o Brasil pode ter sua primeira pedreira logo nas quartas: a Bélgica, que passou pela fase de grupos com 100% de aproveitamento e com o melhor ataque da Copa, com nove gols marcados. O confronto aconteceria dia 6 de julho, em Kazan.

 

Um possível triunfo sobre os belgas levaria o time brasileiro às semifinais, e aí, três campeões mundiais podem entrar no caminho. França e Argentina se encaram logo nas oitavas. Quem passar, duela com Uruguai ou Portugal nas quartas. E é deste jogo que sairia o adversário da seleção na briga por uma vaga na decisão, dia 10 de julho, em São Petersburgo.

Do outro lado, Inglaterra e Espanha têm, teoricamente, caminhos bem menos complicados até uma possível semifinal. O time inglês encara nas oitavas a Colômbia, que oscilou bastante neste Mundial, e se avançar, terá Suécia ou Suíça pela frente nas quartas. Já a Espanha pega a anfitriã Rússia e, em caso de vitória, duela com a surpreendente Croácia ou a Dinamarca nas quartas.

Confira como ficaram os confrontos de oitavas de final da Copa do Mundo:

Uruguai x Portugal

França x Argentina

Brasil x México

Bélgica x Japão

Espanha x Rússia

Croácia x Dinamarca

Suécia x Suíça

Colômbia x Inglaterra

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.