Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Mais inteiro que o Flamengo, Palmeiras vai ao Recife encarar o Santa Cruz

Time viajou menos que a metade do que rivais cariocas no Brasileirão

Raphael Ramos, O Estado de S. Paulo

03 Outubro 2016 | 07h00

O Palmeiras disputa nesta segunda-feira, às 20h, contra o Santa Cruz, no Recife, o seu 11.º jogo fora de São Paulo em 28 rodadas do Campeonato Brasileiro. É menos da metade do Flamengo, que já viajou 27 vezes até agora – a única partida da equipe rubro-negro na cidade do Rio de Janeiro foi contra o Botafogo, no estádio Luso Brasileiro, em 16 de julho.

Com a viagem para Pernambuco, no domingo, o Palmeiras chegou à marca de 22.334 quilômetros percorridos pelo País no Nacional – faltando dez rodadas para o fim do ano. Já o Fla acumula 51.271 quilômetros. 

Essa diferença pode ser determinante na disputa pelo título na reta final da competição. O temor, principalmente dos flamenguistas, é de que o desgaste físico prejudique o rendimento da equipe. Contra o São Paulo, sábado, no segundo tempo, o time mostrou-se sem pernas.

O Flamengo tornou-se uma equipe nômade por causa da cessão do Maracanã ao Comitê Rio-2016 desde março. Sem poder jogar no estádio de suas grandes conquistas, o time levou seus jogos para cinco cidades: Cariacica, Brasília, São Paulo, Volta Redonda e Natal.

Essa lista pode aumentar. O clube espera liberação do Maracanã para voltar ao Rio na partida contra Corinthians, no próximo dia 23, pela 32.ª rodada. Se não puder jogar na cidade, a diretoria estuda opções fora. 

Uma coisa já é certa: o reencontro do Flamengo com o Maracanã não será no clássico com o Fluminense, agendado para o dia 12, pela 30.ª rodada do Brasileiro. O conserto do buraco no meio do gramado feito na cerimônia de encerramento dos Jogos Paralímpicos ainda não foi concluído e, na melhor das hipóteses, o estádio será entregue pelo Comitê dia 21. Por contrato, os organizadores dos Jogos precisam devolver o Maracanã somente no último dia do mês.

Se o Flamengo pouco fica no Rio devido à falta de estádio disponíveis na cidade, a rotina do Palmeiras tem sido mais tranquila. A grande maioria dos jogos da equipe até agora foi no Estado e região Sul. As viagens mais longas foram para Recife (duas vezes) e Brasília (também duas vezes, sendo uma delas para enfrentar o Flamengo). 

PROXIMIDADE

Na 30.ª rodada, o Palmeiras não poderá jogar no Allianz Parque porque o estádio está alugado para o show do tenor italiano Andrea Bocelli. Mas, ao contrário do Flamengo, que chegou a transferir um mando para Natal – cidade localizada a 2.594 quilômetros de distância do Rio de Janeiro –, o Palmeiras optou por atuar contra o Cruzeiro na Fonte Luminosa, em Araraquara. O trajeto de 278 quilômetro será feito de ônibus pela delegação alviverde, sem a necessidade de pegar avião e cumprir seus trâmites. A escolha da cidade foi feita para facilitar a logística do retorno de Gabriel Jesus, que estará com a seleção brasileira na Venezuela.

No próximo domingo, o Palmeiras enfrentaria o América-MG em Belo Horizonte. O time mineiro, no entanto, transferiu o jogo para Londrina. Além de ser mais perto de São Paulo, a cidade ao norte do Paraná é reduto de torcedores palmeirenses. Na prática, a mudança se transformou em uma inversão de mando de campo a favor do time de Cuca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.