Vitor Silva/Botafogo
Vitor Silva/Botafogo

Mais uma vez unidos, Botafogo e Fluminense emitem manifesto: 'Show de horrores'

Clubes, que se enfrentam neste domingo pela semi da Taça Rio, criticam retomada do futebol e promessas não cumpridas da Ferj

Redação, Estadão Conteúdo

04 de julho de 2020 | 22h10

Botafogo e Fluminense emitiram, neste sábado, um "manifesto por um novo futebol", antes da disputa da semifinal da Taça Rio, marcada para este domingo, às 16 horas, no Engenhão. Unidos contra o retorno do Campeonato Carioca durante a pandemia do coronavírus, os clubes dirigiram mais uma vez críticas Federação do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) e classificaram a condução do torneio como um "show de horrores".

"Botafogo de Futebol e Regatas e o Fluminense Football Club se unem neste manifesto. Primeiramente para reafirmar seu compromisso e sua determinação em cumprir com nosso dever social de pregar a estrita observância das normas recomendadas para a proteção da população. Respeitamos o próximo, no que este termo tem de mais precioso, que é a integridade da saúde e a preservação da vida", disse a nota, que contém uma série de pontos em que os clubes se sentiram prejudicados com a volta da competição.

"Botafogo e Fluminense foram obrigados a sair de seus domínios para jogar em estádios precários, em condições de risco e de exaustão, enquanto outros clubes, mais alinhados, mandaram todos os seus jogos em seus estádios; apesar de dizer que os jogos do retorno seriam apenas em três estádios - Maracanã, São Januário e Nilton Santos, a Ferj fez o Botafogo jogar na Ilha do Governador e o Fluminense em Bacaxá, sem poder se concentrar; Botafogo e Fluminense tiveram que lutar para não serem obrigados a jogar após apenas um ou dois dias de treinamento, colocando em risco a saúde e a integridade física de seus atletas", continua o protesto.

"O treinador Paulo Autuori foi punido na véspera do primeiro jogo em razão de declarações em entrevista em que brilhou pela sensatez; o Botafogo foi punido com perda de mando porque contestou a conta absurda e astronômica para a operação do Estádio Nilton Santos, dez vezes mais cara do que a que outros clubes pagaram para jogar no Maracanã; e a mesma cobrança exorbitante ocorreu com Fluminense, ao jogar no estádio Nilton Santos e em Bacaxá."

Botafogo e Fluminense foram os únicos clubes contrários ao retorno do futebol no Rio. O vencedor do duelo deste domingo vai enfrentar Flamengo ou Volta Redonda na decisão da Taça Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.