Natacha Pisarenko|AP
Natacha Pisarenko|AP

Ganso se salva da crise do São Paulo com gols e vibração nos jogos

Meia foi o responsável pelos últimos gols do time no ano

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2016 | 07h00

O meia Paulo Henrique Ganso vive uma fase única em sua carreira. Ele é o goleador do ano no São Paulo com seis tentos e, além disso, está mais vibrante e participativo.  O gol anotado contra o Ituano atesta as duas novas características.

No domingo, o meia fez um tento de centroavante, seu quinto gol seguido. Na temporada passada, ele havia marcado apenas três, um pelo Campeonato Paulista e dois no Campeonato Brasileiro. Na comemoração, ele quase subiu no alambrado do estádio em Ituano. Nos últimos jogos, tem estado mais "ligado" na partida, gesticulando, orientando a equipe e até reclamando com o árbitro. Comportamento muito diferente do ano passado, por exemplo, quando mostrava um ar mais distanciado e blasé.

Fontes próximas ao jogador afirmam que o desempenho técnico se manteve em alta; a diferença é que Ganso está finalizando mais. O bom momento do camisa 10 é o avesso da crise do clube. Na verdade, só Ganso se salva. No empate em Itu, o São Paulo completou cinco jogos sem vitória. Coincidentemente, os cinco últimos gols do São Paulo foram feitos pelo armador da equipe.

Mesmo com cirurgias nos ligamentos dos dois joelhos, o meia não apresentou lesões musculares sérias desde o ano passado, graças a um trabalho de fortalecimento muscular. Desde a estreia no São Paulo, o meia só ficou fora de 12% dos compromissos do time. Foi o atleta de linha que mais atuou pela equipe nas temporadas de 2013 e 2014. Ganso acaba de completar 200 jogos pelo clube.

 

Nas últimas partidas, o meia revelou que a nova postura tem um objetivo: retornar à seleção brasileira. Foi o técnico Edgardo Bauza que revelou um bate-papo com jogador sobre possibilidade de voltar a vestir a camisa amarela. "O Ganso tem condições para jogar muito melhor do que vem jogando. O que estamos fazendo é trabalhar com ele para que possa voltar para a seleção brasileira. Foi uma proposta que fizemos, e acredito que ele pode conseguir", disse o treinador argentino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.