Majestoso e Palestra Itália confirmados na final do Paulistão

Primeiro jogo será realizado em Campinas, no domingo, às 16 horas, após acordo entre Palmeiras e Ponte

Milton Pazzi Jr., estadao.com.br

22 de abril de 2008 | 11h54

As expectativas foram confirmadas. As finais do Campeonato Paulista serão disputadas nos estádios de Ponte Preta e Palmeiras, respectivamente, nos próximos dois domingos, às 16 horas. O acordo foi fechado entre os clubes e anunciado pela Federação Paulista de Futebol (FPF) na manhã desta terça-feira. Os ingressos de arquibancada custarão R$ 40 e serão destinados 2.600 ingressos para os torcedores que forem visitantes em ambas partidas.Veja também: Sérgio estuda as opções, com a confirmação do jogo em Campinas TV ESTADÃO: debate sobre as finais do Paulistão Luxemburgo prega respeito na final contra a Ponte Vote: qual time vai ser o campeão de 2008?A escolha do estádio palmeirense, porém, segue ameaçada. É que o caso do gás no vestiário no intervalo do clássico do último domingo entre Palmeiras e São Paulo será avaliado e pode ser julgado pelo Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD-SP), correndo o risco de punição, até mesmo com a perda de mando de campo. "Se ocorrer este fato, haverá uma nova reunião a este respeito. Aí decidimos o que fazer", resume o presidente do Palmeiras, Afonso Della Monica."Felizmente a Federação foi democrática, nenhuma torcida foi prejudica. Isso que vale no futebol, premiar o clube, tem de jogar em casa. Acertadamente estão sendo feitos os jogos em suas casa", complementa Della Monica.O presidente da FPF, Marco Polo Del Nero, evitou dar detalhes sobre o destino do caso. "Não sou eu quem decide pelo tribunal de justiça. São eles quem vão resolver. Se houve o registro na súmula, esta é encaminhada para o tribunal e lá eles avaliam o que fazer. Não posso falar antes de uma decisão", disse o dirigente. A expectativa, após os problemas da segunda-feira, com os times registrando boletins de ocorrência, é que até o fim da semana o tribunal anuncie se vai ou não julgar o caso.SEM CRISEPor outro lado, quem também comemorou a confirmação de que a final será realizada em seu estádio é o presidente da Ponte Preta, Sérgio Carnielli. Ele disse, na entrevista coletiva, que confia na transparência da arbitragem para os jogos, quebrando a possibilidade de problemas por erros que aconteceram nas finais anteriores que o time disputou e, para sua torcida, não venceu por causa disso. "É difícil falar da cabeça de juiz. Mas as atuações estão acima da média, em alguns jogos o juiz erra, mas acredito que nos dois jogos finais não teremos problemas", diz. Neste primeiro jogo, a torcida ponte-pretana terá à disposição 16 mil ingressos.Sobre a arbitragem, por sinal, a Comissão Estadual pretende anunciar os nomes que participarão do sorteio na quarta-feira. O coronel Marcos Marinho não quis adiantar nomes nem confirmou o veto a Paulo César Oliveira, pedido pelo Palmeiras durante o Paulistão. "Existe um pedido do Palmeiras para que ele não apite seus jogos, mas ainda não decidi. Não tem veto nenhum a ninguém", garante Marinho.Atualizado às 13h26 para correção de informação

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasPonte PretaPaulistão A-1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.