Mala preta: diretor do Goiás recua

O diretor de Futebol do Goiás, Pedro Goulart, ?soltou os cachorros? sobre a reportagem do Estado quando perguntou a ele sobre a suposta mala preta aos jogadores do elenco - seria oferecido peloInternacional, para o time vencer o Corinthians domingo. ?Vocês daimprensa têm de largar o Goiás um pouco, deixa a gente viver em paz.Por que não foram perguntar para o Coritiba quanto eles estão ganhandodo Corinthians para vencer o jogo??, esbravejou, mas em seguidaremendou. ?Não sei se o Coritiba vai receber nada, só estouquestionando qual a razão de só falarem no nosso time.?O dirigente explicou que não disse que os jogadores de Inter e Goiásjá haviam acertado valores. ?Falei a uma televisão que os atletas é quetinham de responder sobre o assunto, não a diretoria do clube, que nãose mistura nessas coisas e não se posiciona sobre isso?, explicou. Só que não foi isso que ele disse ao programa Globo Esporte, da Rede Globo, no início da tarde. Ao ser perguntado se havia negociações ele afirmou.?Houve a intenção; já ligaram de Porto Alegre várias vezes e a nossa resposta foi a seguinte: que a tratativa deve ser feita entre os jogadores. Não somos contra absolutamente e até demos a opinião de que pusesse o Fernandão (do Inter) junto com o Paulo Baier (capitão do Goiás) via telefone ou qualquer coisa que o valha, isentando a diretoria de qualquer coisa, para que eles combinassem. Eu acho válido que venha qualquer tipo de gratificação. Para jogar bem eu não vejo nada de errado?, disse o dirigente na entrevista gravada concedida à Globo.Mais adiante, ainda na entrevista gravada, ele comentou a declaração do volante Josué (hoje no São Paulo) de que o time do Goiás recebeu dinheiro do Cruzeiro para ganhar do Santos, em 2003. ?De verdade!. O Josué tem toda a credibilidade para falar, porque passou por aqui e deixou um rastro gostoso que todos vocês conhecem muito bem. E, na oportunidade, o Harley (goleiro) e o Fabão (zagueiro, hoje no São Paulo) trataram do assunto. O Harley até viajou para Belo Horizonte para receber?, disse Pedro Goulart.Mais tarde, talvez arrependido, ele afirmou que os repórteres ?deveriam ir atrás dos atletas, não da diretoria?, e enfatizou: ?Eu nãotive conhecimento de nada, nem naquele ano, nem agora?. E explicou: ?Em2003, segundo fiquei sabendo pela declaração do Josué, o Harley e o Fabão teriam ido pegar dinheiro em Minas, não sei se é verdade?. Ontem, Harlei, ainda no clube, negou envolvimento no episódio. ?Mas larga essa história de mala preta de lado, rapaz?, orientou odiretor de Futebol. ?Você não está percebendo que isso é coisa queinventam só para desestabilizar a gente e facilitar as coisas para oCorinthians??Nos bastidores do clube goiano, especula-se que o Inter pagaria R$ 10mil a cada jogador que marcar gol contra o Corinthians. Os atletasnegam a oferta. Ontem (30), inclusive, o meia Cleber Gaúcho brincou como assunto: ?Se vão dar algo, quero o meu dinheiro. Vem bem a calhar.?Sobre Paulo Baier, Pedro Goulart confirmou a transferência do lateralpara o Palestra Itália no ano que vem. ?Falam aí que ele poderia irpara o exterior, mas é só especulação, está é tudo certo mesmo com oPalmeiras.? Além dele, o Goiás deve ficar sem o meia Rodrigo Tabata.?Todo ano perdemos um monte de jogadores e sempre temos um bom time?,disse.

Agencia Estado,

01 de dezembro de 2005 | 17h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.