Malandragem é a tática do Palmeiras

A má fase do Palmeiras no Campeonato Paulista fez o estilo gaúcho do técnico Celso Roth deixar de ser unanimidade dentro da equipe. Assim, para vencer o Cerro Porteño, às 21h40 desta quarta-feira, em Assunção, pela Taça Libertadores, o lateral-esquerdo Felipe, o jogador mais técnico da equipe, está liderando uma corrente que defende a malandragem carioca dos jogadores em campo.Muito mais do que Celso Roth, Felipe acumula uma boa experiência nesta competição. Foi campeão jogando pelo Vasco em 1998 e, no ano seguinte, foi eliminado nas oitavas-de-final pelo Palmeiras. Roth, por sua vez, disputa a Libertadores pela primeira vez na carreira.Segundo Felipe, somente com "jogo de cintura" a equipe poderá conseguir uma vitória, o que praticamente a classificará para a segunda fase da Taça Libertadores. "Precisamos ser malandros, gastando o tempo e não entrando nas provocações do adversário", receitou o jogador.Com 6 pontos, o Palmeiras está invicto no grupo 2, atrás apenas do próprio Cerro, líder com 9 pontos, mas com uma partida a mais. Em sua estréia, o time brasileiro venceu o Universidad de Chile por 2 a 1, e, no segundo jogo, superou o Sport Boys, do Peru, por 4 a 1. O goleiro Marcos já adiantou que um bom resultado fará a equipe passar a priorizar o Paulista.A falta de malícia do time já havia sido detectada por Roth na partida de domingo contra o Santos, quando o Palmeiras foi derrotado por 3 a 1 na Vila Belmiro e chegou à antepenúltima colocação no Paulista.Na ocasião, o técnico se queixou da pouca competitividade de alguns jogadores, que não souberam reagir à pressão da torcida local e às circunstâncias adversas do jogo, já que o time ficou com um jogador a menos desde os 23 minutos do primeiro tempo, após a expulsão do lateral-direito Taddei.O treinador esquivou-se da responsabilidade pela atual situação do Palmeiras no Estadual. Segundo ele, o time já havia iniciado mal a competição e, sob o seu comando, venceu duas partidas. No típico discurso do "eu venci, nós empatamos e eles perderam", Roth ressaltou, no entanto, que a boa campanha na Libertadores já é um reflexo de seu trabalho na equipe.O treinador poderá modificar o esquema do time nesta quarta, passando do 3-5-2 para o 4-4-2. Neste caso, o ataque deverá ser formado por Fábio Júnior e Tuta, que até então disputavam a posição.Na opinião do volante Galeano, a boa colocação da equipe na Libertadores é um reflexo das conversas entre os jogadores. Segundo ele, desde a estréia há uma preocupação em não repetir os erros do Paulista. "Esta conscientização tem dado resultados", destacou.Para a partida, Roth não poderá contar com o meia Lopes. O jogador contundiu-se na coxa direita no domingo. O volante Magrão continua em recuperação de uma contratura na perna e também ficará de fora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.