Maldonado sofre nova lesão e deve voltar apenas em 2008

Volante chileno volta de sua seleção com outro estiramento muscular e ficará fora dos gramados por 30 dias

Sanches Filho , Especial para o Estadão

18 de outubro de 2007 | 19h31

Maldonado sofreu outro estiramento muscular e só volta a jogar em 2008. O volante retornou nesta quinta-feira à tarde da Seleção Chilena, foi examinado pelos médicos do Santos, que constataram lesão no músculo posterior da coxa direita. Durante 15 dias, o jogador vai apenas fazer tratamento médico e em seguida iniciará um trabalho físico leve em campo. Na melhor das hipóteses, Maldonado só deverá ser liberado para o primeiro treino com bola dentro de 30 dias, sem tempo para entrar em forma para participar dos dois últimos jogos do time no Campeonato Brasileiro, contra o Paraná, em Curitiba, e Fluminense, na Vila Belmiro.  Vanderlei Luxemburgo lamentou a nova contusão de um de seus principais titulares, dizendo que esse tipo de problema acontece em razão da mudança de treinamento. "A carga de trabalho na Seleção Chilena é diferente da nossa. É uma pena porque Maldonado teve uma seqüência de contusões que o deixou fora de muitos jogos", disse o treinador, que torce pela recuperação do jogador ainda para as partidas finais Brasileiro. Maldonado desfalcou o time em 28 dos 69 jogos que o Santos disputou na temporada. No fim do ano passado, o volante operou o tornozelo direito para iniciar 2007 livre dos seguidos entorses, para sofrer estiramento muscular contra o Corinthians, no dia 3 de junho e demorou quase dois meses para voltar, desfalcando o time desde o segundo jogo das semifinais da Libertadores, diante do Grêmio, na Vila Belmiro. Baiano é outro desfalque para o jogo contra o Figueirense, neste domingo à noite, em Florianópolis. O lateral foi expulso contra o Vasco da Gama e suspenso por três jogos pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Punição que Luxemburgo considera injusta. "Só quem jogou vai entender que Baiano não teve intenção de quebrar ninguém. Não adianta ficar lá [no STJD] de terno e gravata, olhando a imagem da televisão e achar que vai passar alguma coisa de concreto. Eles teriam que vestir calção e calçar chuteiras para saber como funciona o futebol."  O técnico santista trocou o coletivo previsto para esta quinta-feira à tarde, no CT Rei Pelé por um 'treino alemão'. Foram três equipes de seis jogadores. Enquanto duas se enfrentavam, a terceira treinava chutes no gol. Kléber, que estava na Seleção Brasileira, retornou e apenas correu em volta dos campos do CT. O time viaja para Florianópolis no fim da tarde desta sexta-feira e sábado cedo treina na capital catarinense.  Rei Pelé defendeu nesta quinta-feira, na festa do 1º. aniversário de sua escolinha de futebol em Santos, a renovação do contrato de Luxemburgo. "Ele é, sem dúvida, o melhor técnico do Brasil e quem até do mundo. Vale a pena pelo custo-benefício". Informado sobre a opinião do Rei, o técnico disse que só tinha a agradecer. "É gostoso ouvir isso." E repetiu que no momento oportuno vai discutir o assunto.  Robinho Para Luxemburgo, o lance de Robinho contra o Equador foi completo porque objetivou o gol. "Teve beleza e plástica. Robinho não deve ter treinado aquele drible. Foi um improviso de gênio", elogiou o técnico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.