Reprodução
Reprodução

Mancha Alviverde culpa Tirone e Frizzo pela queda do Palmeiras

Organizada acha culpados por fracasso do time e nega que tenha ameaçado jogadores

O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2012 | 17h13

SÃO PAULO - Maior torcida organizada do Palmeiras, a Mancha Alviverde soltou um comunicado no seu site para criticar a diretoria do clube e, principalmente, para negar que tenha ameaçado jogadores durante a péssima campanha do time no Campeonato Brasileiro, que culminou com a queda para a Série B.

Para a organizada, a culpa pelo rebaixamento é do presidente Arnaldo Tirone e do vice Roberto Frizzo. A diretoria da Mancha, que assina a carta, aponta alguns erros da atual administração do clube e diz que não é ela, Mancha, que faz ‘negociações estranhas’, paga ‘R$ 700 mil a um técnico’ ou é ‘conivente com jogadores que vivem mais lesionados do que jogam (mas constantemente é visto em balada bêbado)'. "Os verdadeiros culpados pela ineficiência de um clube caindo para a Série B por não termos Dep. Jurídico, nem Marketing chama-se: Arnaldo Tirone e Roberto Frizzo", diz um trecho da carta.

A Mancha defende-se ainda das acusações de que ela teria ameaçado atletas e depredado a loja oficial do clube. "Novamente começou a transferência de responsabilidade e condenações prévias. Primeiro aconteceu com as supostas ‘ameaças’ feita aos jogadores e diretores. Lógico, uma sábia argumentação para isentar-se de qualquer culpa pelo fracasso: ‘Estamos sendo pressionados, ‘Não consigo trabalhar e por isso não consigo render adequadamente’. São palavras de um bando de incompetentes que se instalaram no clube", diz outro trecho do comunicado. "Agora acontece um ato lamentável na loja do clube, e prontamente a melhor coisa a se fazer é culpar e condenar novamente a torcida organizada", continua.

A Organizada aproveita para dizer que se coloca à disposição das autoridades se for provado que algum integrante da Mancha foi responsável por qualquer ato de violência, e que, assim, ele será excluído do quadro de sócios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.