Mancha canta em enterro de torcedor

O torcedor palmeirense Diogo Lima Borges, 23 anos, morto no domingo após conflito com torcedores do Corinthians algumas horas antes do clássico entre as equipes - foi enterrado no meio da manhã desta terça-feira, no cemitério São Pedro, Zona Leste de São Paulo. Num clima que misturou tristeza e revolta, o corpo de Diego foi sepultado sob gritos da Mancha Alviverde - principal torcida organizada do Palmeiras - da qual o rapaz era sócio.?Munhoz era guerreiro?, gritavam os integrantes da torcida. Diogo era chamado de Munhoz pelos colegas por ser considerado muito parecido com o atacante colombiano Munhoz, também do Palmeiras. Além das palavras de ordem, a Mancha cantou o hino do Palmeiras e músicas de carnaval da Escola de Samba Mancha Alviverde. Um grupo de aproximadamente 100 pessoas - metade de torcedores da Mancha - acompanhou o sepultamento. Inconformada, a mãe do rapaz chorava muito e perguntava, olhando para o caixão. ?Porque você foi lá??, dizia ela, referindo-se ao jogo.O pai de Diogo, Marcos Tadeu Borges, de 49 anos, disse que conversaria com os amigos da torcida. ?Não quero vingança, não vai trazer meu filho de volta?, garantiu.

Agencia Estado,

18 de outubro de 2005 | 12h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.