Mancha canta em enterro de torcedor

O torcedor palmeirense Diogo Lima Borges, 23 anos, morto no domingo após conflito com torcedores do Corinthians algumas horas antes do clássico entre as equipes - foi enterrado no meio da manhã desta terça-feira, no cemitério São Pedro, Zona Leste de São Paulo. Num clima que misturou tristeza e revolta, o corpo de Diego foi sepultado sob gritos da Mancha Alviverde - principal torcida organizada do Palmeiras - da qual o rapaz era sócio.?Munhoz era guerreiro?, gritavam os integrantes da torcida. Diogo era chamado de Munhoz pelos colegas por ser considerado muito parecido com o atacante colombiano Munhoz, também do Palmeiras. Além das palavras de ordem, a Mancha cantou o hino do Palmeiras e músicas de carnaval da Escola de Samba Mancha Alviverde. Um grupo de aproximadamente 100 pessoas - metade de torcedores da Mancha - acompanhou o sepultamento. Inconformada, a mãe do rapaz chorava muito e perguntava, olhando para o caixão. ?Porque você foi lá??, dizia ela, referindo-se ao jogo.O pai de Diogo, Marcos Tadeu Borges, de 49 anos, disse que conversaria com os amigos da torcida. ?Não quero vingança, não vai trazer meu filho de volta?, garantiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.