Mancha Verde nega ligação com a morte de corintiano

Presidente da organizada diz que a entidade não participou do assassinato de Douglas Silva

Daniel Batista, estadão.com.br

30 de agosto de 2011 | 17h45

SÃO PAULO - O presidente da Mancha Verde, André Guerra, negou que a torcida tenha alguma participação no assassinato do torcedor do Corinthians, Douglas Karin Silva, de 27 anos, que foi encontrado morto flutuando no Rio Tietê na segunda-feira. Ele era sócio da Gaviões da Fiel e estava desaparecido desde sábado.

"Foi uma surpresa para mim essa história. Não tenho o que falar sobre esse caso do Tietê. Fiquei sabendo disso ontem, mas nós (da Mancha Verde) não temos nada a ver com isso", garantiu o palmeirense.

Entretanto, um dos suspeitos de ter cometido o crime é Neilo Ferreira e Silva, mais conhecido como Lagartixa, que é membro da Mancha Verde e um dos responsáveis pela emboscada ao ex-técnico do Palmeiras Vanderlei Luxemburgo, em outubro de 2009, no Aeroporto de Congonhas, e pelas agressões ao atacante Vágner Love no ano passado.

Sobre o assunto, Guerra minimizou. "Tudo que acontece o nome dele aparece, mesmo que ele não esteja no fato. É assim mesmo. Agora falam que ele é suspeito de ter matado o cara. Eu não tenho o que falar. A Mancha não faz parte disso."

Tudo o que sabemos sobre:
Futebolviolênciabriga de torcidas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.