Cristina Quicler/AFP
Cristina Quicler/AFP

Manchester City desiste e PSG continua como único candidato a tirar Messi do Barcelona

Clube inglês recua do interesse pelo argentino, que tem contrato válido somente até junho

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2021 | 12h00

A possibilidade de ver novamente Messi ao lado de Neymar ganhou força no noticiário internacional com a desistência do Manchester City de contratar o camisa 10 junto ao Barcelona. Pep Guardiola havia demonstrado interesse em contar com o atleta na equipe inglesa, mas os dirigentes do City recuaram após saber da conversa que o estafe do craque argentino vem tendo com o clube catalão para uma possível renovação. O vínculo do jogador de 33 anos se encerra ao fim de junho.

De acordo com o jornal espanhol Sport, o City está atrás de um substituto para Aguero e vai centrar foco para adquirir um centroavante. Entre os nomes mais cotados, estão Haaland,  Lukaku e Harry Kane. Na visão do clube, trata-se de uma prioridade.

Diante do sinal dado em algumas ocasiões por Messi de que uma mudança de ares seria positiva para sua carreira, o PSG surge como uma possibilidade mais real neste momento. O interesse de Neymar em voltar a fazer dupla com o antigo companheiro de Barcelona aumenta a chance de o clube francês tirá-lo do futebol espanhol. Ocorre que Messi parece repensar sua decisão de mudar de time, como pediu no meio do ano passado.

No segundo semestre de 2020, o PSG chegou a fazer uma investida para abrir a negociação com o jogador argentino, mas a transação acabou não evoluindo de forma favorável. No Campeonato Espanhol, o Barcelona ocupa a vice-liderança com 62 pontos e está a quatro pontos do Atlético de Madrid. A equipe volta a campo na próxima segunda (4 de abril) quando recebe o Valadolid no Eestádio Camp Nou. O time catalão foi eliminado da Liga dos Campeões.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.