Rodrigo Coca/Ag. Corinthians
Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

Mancini completará um mês no Corinthians sem "achar time" e com futebol carente

Em sete jogos no comando da equipe, técnico tem campanha de três vitórias, dois empates e duas derrotas, aproveitamento de 52,38%

Redação, Estadão Conteúdo

08 de novembro de 2020 | 09h00

O técnico Vagner Mancini completará um mês de Corinthians no meio da semana sem motivos para comemorar. Ainda não encontrou a escalação ideal, o futebol segue bastante carente e a torcida não vê perspectiva de melhora.

Foram sete jogos disputados sob sua batuta e um desempenho até melhor que os antecessores, mas ainda baixo: três vitórias, dois empates e duas derrotas e aproveitamento de 52,38%. Com números que não empolgam, mais uma vez ele terá uma semana livre de trabalho para "achar sua equipe".

O Corinthians volta a campo no sábado, às 19 horas, na Neo Química Arena, para duro confronto com o Atlético-MG pelo Brasileirão. E sobram problemas para o técnico ajustar.

"Acho que nós deveríamos estar nos impondo mais em campo, mas a imposição não está no falar, na parte verbal, ou naquilo que as pessoas pensam, está na imposição de entrar em campo e mostrar o que você é capaz", enfatiza o técnico, ciente que o seu Corinthians pouco cria diante dos rivais.

"Nos dois últimos jogos a equipe melhorou no segundo tempo, após as alterações. A gente tem de ligar uma chave para que os atletas entendam a necessidade que temos de fazer os dois tempos bem feitos", admite Mancini que não está contente com quem vem escalando no início das partidas. A crítica já deixa no ar a possibilidade de nova escalação diante dos mineiros.

"Os atletas (substitutos) vão melhorar muito a partir do momento que tivermos um tempo maior de treinamento. Desde que cheguei foi pouco tempo de um jogo para o outro e isso atropela alguns processos", observa o técnico, crente que vai "encontrar" a escalação correta com tempo para trabalhar. E nela pode aparecer o colombiano Cantillo, até então pouco usado ou testado com o treinador.

"Hoje (sábado) eu até tinha a possibilidade de ter entrado com Cantillo, que me daria o jogo limpo, aberto, mas sobrecarregaria um pouco pela formação da equipe." A justificativa do treinador sobre não ter utilizado o colombiano diante do Atlético-GO mostra que ele tinha receio de perder da ex-equipe. Foi cauteloso e o time seguiu estacionado no meio da tabela.

O torcedor corintiano anda reclamando bastante da forma contida como a equipe vem se portando recentemente. Nos últimos quatro jogos, por exemplo, o Corinthians finalizou apenas 10 vezes. Foram três chutes na ida da Copa do Brasil contra o América-MG, em Itaquera, e dois no duelo de volta, além de mais três contra o Internacional e apenas dois neste sábado, frente o Atlético-GO.

Desgostoso com tal postura, Mancini terá a semana livre para ajustar essa falta de ofensividade. "Optei pela entrada de mais um volante de marcação (contra o Atlético-GO), isso tornou a equipe pesada no sentido de criação de jogadas. Foi um ponto importante, mas um Corinthians distante do que achamos ideal."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.