Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Mancini diz que jogo com o Inter é um divisor de águas para o Corinthians

Treinador resume a vitória sobre o líder do Brasileiro como gigantesca

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2020 | 07h01

O técnico Vagner Mancini deixou a Neo Química Arena no sábado com uma felicidade dupla. Primeiro, pela vitória de 1 a 0 do Corinthians sobre o Internacional. Em segundo, pela atuação da equipe diante do adversário. Na visão do treinador, o jogo pode significar uma nova fase para o time alvinegro.

"Esse jogo tem que ser e deve ser um divisor de águas. Não podemos aceitar o jogo do Corinthians como contra América-MG (na quarta-feira passada). Não foi um jogo terrível, tivemos oportunidades e volume, mas o que o torcedor quer ver é o que viu hoje (sábado) e isso foi passado aos atletas. Tivemos uma conversa verdadeira de muita cobrança. Às vezes tem de botar dedo na ferida e falar verdade. Sempre vou falar", avisou o comandante corintiano. 

Ele acredita que a pressão em cima dos jogadores após a derrota para o América-MG, quarta-feira passada, fez com que o resultado deste sábado tivesse um peso maior do que os três pontos na tabela. "Para o nosso momento, ela (vitória) é gigantesca", comentou. Ele lembra a diferença de como foi o duelo com o América em comparação ao confronto com o Inter. 

"Não deixamos o Inter finalizar nenhuma bola no gol e o Cássio não fez defesa. Eu falava há 72 horas que não chutamos no gol do América-MG e 72 horas depois não permitimos que o líder chutasse no nosso gol. Veja como é o futebol", comparou. "Eles foram guerreiros em campo como exige a marca Corinthians. É importante ressaltar a luta e entrega dos jogadores", completou o feliz treinador.

Apesar do clima de alívio, Mancini reforça que muita coisa ainda está por vir. Inclusive, na quarta-feira tem a decisão da vaga para as quartas de final da Copa do Brasil contra o América-MG. Como perdeu o primeiro jogo por 1 a 0 em casa, o Corinthians precisará vencer por dois gols de diferença ou por um gol e levar a decisão para os pênaltis. 

"Foi um divisor de águas porque nos mostra o caminho. Mas foi dito no vestiário: não pode ficar nisso. Não pode achar porque ganhou do líder vai ter jogo fácil na quarta. Não vai. Tem de vestir essa camisa e saber o quanto é importante paro torcedor ver o time jogando desta forma", ressaltou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.