Denny Cesare/Código19
Denny Cesare/Código19

Mancini lamenta dizer que Vitória triunfou em 'uma verdadeira guerra' em Campinas

Equipe baiana deixou a zona de rebaixamento com triunfo sobre a Ponte, que rebaixou o adversário

Estadão Conteúdo

26 Novembro 2017 | 22h22

"Eu poderia dizer que nós conquistamos uma grande virada, mas na verdade acabamos ganhando uma verdadeira guerra". Com estas palavras, o técnico Vagner Mancini definiu a virada histórica do Vitória sobre a Ponte Preta, por 3 a 2, neste domingo à tarde, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, pela 37.ª rodada do Campeonato Brasileiro. O jogo foi paralisado aos 37 minutos do segundo tempo por conta da invasão do gramado por parte de um grupo de torcedores do time paulista.

+ Presidente condena vandalismo e diz que Rodrigo foi infantil em expulsão

"Foi uma cena inadmissível. Isso aqui é futebol, é esporte e não uma praça de guerra. Por muita sorte não tivemos ninguém machucado com gravidade, mas poderíamos ter presenciado uma tragédia dentro de campo", continuou Mancini, lembrando que dois ou três jogadores da própria Ponte Preta foram se proteger no "nosso túnel porque estavam mais perto quando viram a torcida entrando em campo". Nino Paraíba e Luan Peres, pelo menos, realmente se abrigaram do lado do visitante.

Em vez de comentar o jogo, Mancini foi mais questionado sobre os incidentes em campo. Disse que houve atropelo na entrada dos vestiários e nervosismo geral. "Nós corremos para os vestiários e alguns jogadores até escorregaram nas escadas por causa da correria e também porque estavam de chuteiras. O André Lima torceu o tornozelo e Yago se sentiu mal pelo nervosismo. Eles não teriam condições de retornar se o jogo fosse reiniciado".

Para Mancini, o encerramento do jogo foi o ato mais sensato visto após esta confusão. "Depois desta selvageria ninguém, nem nosso time, nem o deles, teria condições de jogar. Até para a arbitragem ficaria complicado. Mesmo sem a presença da torcida, porque o clima era mesmo de uma tragédia", concluiu.

Sobre o jogo, Mancini reconheceu que seu time fez um primeiro tempo "abaixo da crítica", mas que teve forças para "mudar tudo no segundo tempo, buscar os gols e a vitória". Para ele, "os jogadores foram valentes, encararam o desafio e deixaram o campo como heróis".

Agora com 43 pontos, em 15.º lugar, o Vitória só depende dele para se manter na elite em 2018. Na última rodada vai receber o Flamengo, em Salvador, e com um triunfo não dependerá de resultados dos outros concorrentes, como o Coritiba, Sport e Avaí. Por enquanto, estão matematicamente rebaixados para a Série B o Atlético-GO e a Ponte Preta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.