Mancini pede paciência à torcida com Kléber Pereira

Atacante deixou o campo, no empate por 3 a 3 com o Goiás, vaiado pela torcedor na Vila Belmiro

Redação

17 de maio de 2009 | 19h24

Apesar de ter feito o seu primeiro gol no Brasileirão, Kléber Pereira deixou o gramado vaiado pela torcida do Santos ao ser substituído pelo jovem André. Isso, enquanto o time ainda vencia o jogo contra o Goiás, que terminou empatado por 3 a 3. Logo após o jogo, o técnico Vágner Mancini saiu em defesa do centroavante e lamentou as vaias.

Veja também:

link Santos sai na frente, mas só empata em casa com o Goiás

especial Visite o canal especial do Brasileirão

especial Jogue o Desafio dos Craques

tabela Brasileirão Série A - Classificação e Calendário

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão 

"É preciso ter um pouco de paciência. O torcedor quer ver o time ganhando assim como nós. Mas tem coisas que não dá para explicar no futebol. O Kléber está lutando. Ficamos chateados com a torcida, mas temos que aceitar", argumentou o treinador. "Ele só poderá mudar essa situação se fizer gols. Hoje [domingo] ele fez. Se tivéssemos vencido, tenho certeza que ele sairia aplaudido. O Kléber é um cara que decide jogos", concluiu.

FICO, POR ENQUANTO

Ainda no intervalo do jogo, Kleber Pereira voltou a afirmar que tem outras propostas além da do Santos. "Estamos analisando uma proposta de fora, eu e meu empresário, e estamos também negociando a renovação", disse o atacante, que manteve o discurso de "boa vizinhança". "Vamos ver como fica, mas enquanto estiver no Santos espero fazer muitos gols e ajudar o time no Brasileirão."

NÃO PREFERI

Autor de apenas 10 gols no Santos, o volante Rodrigo Souto marcou dois destes neste domingo, contra o Goiás. Apesar do feito expressivo em sua carreira, o jogador preferiu lamentar o empate sofrido nos instantes finais.

"Foi bom ter marcado, e dois gols ainda mais. Mas não adiantou muito, não é mesmo? Preferia até não ter marcado e de repente o Santos ter vencido", comentou o volante, na saída do gramado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.