Rubens Chiri/São Paulo
Rubens Chiri/São Paulo

Mancini pode reforçar a marcação do São Paulo no meio para o clássico

Volante Hudson pode ganhar uma chance de começar como titular diante do forte ataque do Palmeiras

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2019 | 04h31

O técnico Vagner Mancini terá uma missão dura no próximo sábado: levar o São Paulo à vitória diante do Palmeiras, um rival que vem fazendo uma boa temporada e é considerado um dos favoritos ao título do Campeonato Paulista, até por causa do elenco recheado de estrelas que possui. A pressão é grande, até porque a classificação para a próxima fase do Estadual não está garantida.

O treinador tricolor sabe que a principal arma do adversário são os três meias que estão atuando como titulares nos principais jogos: Gustavo Scarpa pela direita, Ricardo Goulart mais centralizado e Dudu pela esquerda. Além de habilidosos, eles têm liberdade para se movimentar pelo ataque para incomodar a marcação.

Por causa disso, Mancini dará atenção especial a esses três jogadores em um duelo que não poderá contar com o zagueiro Bruno Alves, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Dessa forma, é provável que abra mão do esquema com três zagueiros, atuando com quatro defensores, mas precisará reforçar a marcação no meio de campo para não ser surpreendido.

O volante Hudson pode ganhar uma chance de ser titular para ajudar a proteger melhor a defesa. Assim, ele jogaria ao lado do jovem Luan e a dupla deixaria o meia Hernanes com mais liberdade para criar as jogadas do time. Outro ponto a se considerar é que, mesmo ciente de que será atacado, o São Paulo também pretende atacar.

Mancini sabe que é muito arriscado jogar atrás o tempo todo nesse confronto no estádio do Pacaembu e por isso vai explorar as jogadas em velocidade pelos lados do campo, com os jovens Antony e Helinho, pela direita e pela esquerda. Assim, fará com que o Palmeiras se preocupe também com seu sistema defensivo e evitará que o perigo chegue com frequência à área tricolor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.