Arquivo/AE
Arquivo/AE

Mancini reclama de todo time e quer melhora no próximo jogo

Técnico diz que Santos fez o pior jogo sobre seu comando e que espera melhoras contra o Atlético Mineiro

Sanches Filho, O Estado de S. Paulo

14 de junho de 2009 | 17h38

Entre o empate contra o Santo André, no ABC paulista, e a primeira derrota no Campeonato Brasileiro - no sábado contra o Botafogo, no Engenhão -, o Santos teve 10 dias livres para trabalhar. Preocupado com o elevado número de gols que o time vinha sofrendo, em razão erros de sua defesa, o técnico Vágner Mancini fez longas palestras para o grupo e orientou os jogadores de marcação em treinos específicos para corrigir as falhas, mas não deu certo.

 

Veja também:

especialVisite o canal especial do Brasileirão

especialJogue o Desafio dos Craques

lista Brasileirão - Calendário

tabela Brasileirão - Classificação

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

 

Na partida de sábado, além de o setor defensivo continuar se mostrando deficiente, o ataque também não funcionou. Nesta segunda-feira, os jogadores voltam aos treinos, após a folga de domingo, e o treinador novamente terá uma semana para acertar a equipe que vai receber o Atlético Mineiro, no próximo final de semana, na Vila Belmiro.

 

"Foi o pior jogo do Santos desde quando assumi há 120 dias. O futebol do time esteve bem abaixo do seu normal. Não há explicação para o que aconteceu. A equipe se defendia bem, mas de repente tomou dois gols em sete minutos", analisou o técnico, que repetiu uma de suas frases preferidas de que se aprende mais na derrota do que na vitória. Ele ficou irritado com a apatia do setor ofensivo.

 

Embora reconhecesse que o Botafogo marcou bem alguns jogadores decisivos do seu time, Mancini ressaltou que, já no primeiro tempo, Molina e Paulo Henrique Lima deixaram de chutar de fora da área quando tiveram oportunidade. "O que eu mais lamento é que, quando teve a bola, o Santos não foi o mesmo dos jogos anteriores. Faltou velocidade, passes de primeira e ousadia", completou.

 

Como acontece quando não faz gol, Kléber Pereira reclamou por ter ficado isolado no ataque durante boa parte do jogo, a ponto de ser obrigado a voltar para buscar a bola, distanciando-se da área. "A bola não chegou. Com certeza o time poderia ter jogado melhor. Todos nós sabíamos como o Botafogo iria entrar e o que deveria ser feito, mas faltou atitude", queixou-se. "Esse foi um dia para ser esquecido", completou o atacante, que finalizou apenas uma vez durante os 90 minutos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.