Mancini surpreso com ascensão rápida

Em meio à emoção pela classificação para a final da Copa do Brasil, os jogadores do Paulista fizeram questão de ressaltar o trabalho do técnico Vágner Mancini. "O nosso treinador é fora de série, ele é um pai para nós", gritou, chorando, o meio-campista Cristian, autor dos dois gols de falta que garantiram o time de Jundiaí (SP) na decisão da competição nacional. "O Mancini falou no vestiário que a gente não podia baixar a cabeça. Ele levantou o nosso astral", ressaltou o atacante Márcio Mossoró.Na profissão de técnico há cerca de um ano, Mancini admitiu que se surpreendeu com o rápido resultado de seu trabalho. "Foi uma coisa muito rápida. Eu, sinceramente, não esperava que dentro de um ano apenas eu estivesse numa final de Copa do Brasil".O treinador, porém, destacou que o Paulista chega com mérito à decisão depois de eliminar cinco equipes da Série A do Brasileirão. Ele considerou o Cruzeiro o adversário mais difícil da trajetória vitoriosa da equipe de Jundiaí e demonstrou confiança para a decisão com o Fluminense.Após o apito do árbitro, os atletas festejaram a classificação no gramado do Mineirão gritando "Galo", apelido do Paulista e, coincidentemente, nome do mascote do Atlético-MG, maior rival cruzeirense. "Ninguém acreditava na gente e mostramos em campo", desabafou Léo.Decepção - Pelo lado do Cruzeiro, mais uma vez a decepção tomou conta do grupo. Os torcedores acusaram o goleiro Fábio de ter falhado nos dois gols de falta. Diante das críticas, o jogador reagiu irritado: "A torcida é assim, tem sempre que pegar alguém para Cristo".Um dos mais desolados era o atacante Fred, que marcou dois gols e se tornou o maior artilheiro em uma edição da competição, com 14. "Não tem nem como comemorar essa artilharia", comentou.Antes mesmo de o jogo terminar, o presidente Alvimar de Oliveira Costa garantiu a permanência do técnico Levir Culpi no comando do Cruzeiro. "Sei da revolta da torcida, mas o trabalho está bem feito. Os dois gols foram uma fatalidade", disse o dirigente. "Fizemos uma atuação brilhante no primeiro tempo, mas não era para ser", lamentou, resignado, o treinador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.