Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Rodrigo Coca/Agência Corinthians

Mancini treina marcação sob pressão para Corinthians desencantar frente o Grêmio

Equipe alvinegra não marca gol contra os gaúchos há cinco jogos

Redação, Estadão Conteúdo

17 de novembro de 2020 | 19h32

O Corinthians recebe o Grêmio no próximo domingo com um incômodo jejum. São cinco jogos sem anotar um gol diante dos gaúchos. Precisando ganhar para não ver a ameaça de rebaixamento reaparecer, Vagner Mancini trabalhou marcação sob pressão e contragolpes rápidos nesta terça-feira.

Desde julho de 2018 que o Corinthians não faz um gol no Grêmio. Há mais de dois anos, portanto. Na oportunidade, fez 2 a 1. Depois, foram três 0 a 0 e duas derrotas por 1 a 0.

Ciente que os gaúchos estão em bom momento na temporada após sete vitórias seguidas e não devem ficar na retranca, Mancini apostará na roubada de bola e na velocidade para tentar surpreender o time de Renato Gaúcho.

Nesta terça-feira, o trabalho foi em jornada dupla. Uma parte física e outra técnica. No campo reduzido, Mancini simulou como o Corinthians vai atuar no domingo à noite, na Neo Química Arena. Os atacantes vão sufocar os marcadores e tentarão roubar a bola já no campo de ataque, para chegar rápido ao gol gaúcho.

Outra estratégia será usar a velocidade no contragolpes. O Corinthians vem sofrendo para atacar em seus jogos e, crente que será atacado, quer aproveitar as chances após roubar a bola. O gol diante do Atlético-MG na rodada passada foi com saída rápida e chegada à frente com poucos toques. Mas começou em uma cobrança de falta.

Resta saber com quais jogadores na frente. Boselli novamente acusa dores. Jô ainda se recupera da covid-19 e Otero está na seleção venezuelana. Ramiro machucou contra os mineiros.

Davó pode seguir como centroavante, com Everaldo ou Léo Natel a seu lado. Luan começa a ganhar a confiança de Mancini e pode até formar dupla de armação com Otero. O treinador espera ter todos à disposição para definir mais uma inédita escalação corintiana.

O jovem atacante, por sinal, poderia ter ajudado em outro gol diante do Atlético-MG. Após abrir o marcador, o novo xodó de Mancini não tocou uma bola e revelou ter tomado bronca.

"Ele me dá bronca, sim, quando eu erro. Sabe do meu potencial, que posso ajudar, então está certo, tem que cobrar mesmo", afirmou Davó. "A gente tem que melhorar em cada lance. Eu podia ter tocado a bola. Como em outros lances que tivemos com outros jogadores", seguiu. "Estamos numa cobrança constante para que o time melhore cada vez mais."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.