Andrew Couldridge/Reuters
Andrew Couldridge/Reuters

Mané nega que Senegal seja dependente do seu futebol: 'Nossa força é o time todo'

Atacante do Liverpool é o principal jogador da seleção africana, mas minimiza importância na equipe

Estadão Conteúdo

23 Junho 2018 | 12h34

Principal jogador e capitão da seleção de Senegal na Copa do Mundo da Rússia, Sadio Mané rechaçou neste sábado a opinião de que o time depende somente dele para conquistar as vitórias. Na visão do astro do Liverpool, da Inglaterra, a grande força dos senegaleses no Mundial é o coletivo.

+ Douglas Costa sente lesão na coxa e está fora do jogo contra a Sérvia

+ Com Lukaku artilheiro, Bélgica goleia Tunísia e fica perto de vaga

+ Messi organiza motim para 'derrubar' Sampaoli na Argentina, diz jornal

O jogo em conjunto foi essencial para a vitória na estreia sobre a Polônia e deve ser importante também para o confronto diante do Japão, neste domingo, às 12 horas (de Brasília), em Ecaterimburgo, pela segunda rodada da primeira fase do torneio. Uma vitória no "duelo de azarões" do Grupo H pode valer a classificação antecipada às oitavas de final.

"Será uma ótima partida. É muito importante para nós e precisamos de apoio dos torcedores", disse. "Nossa força? Não é somente o Sadio Mané, é o time todo", afirmou o atacante, que fará ainda neste sábado o último treino antes de enfrentar os japoneses.

Ao lado do egípcio Mohamed Salah e do brasileiro Roberto Firmino, Mané formou no Liverpool um dos ataques mais poderosos do futebol europeu na última temporada. Tanto que juntos foram capazes de levar a equipe inglesa até a final da Liga dos Campeões.

 

Mané se tornou amigo de Salah, e neste sábado comentou sobre a tristeza do egípcio em ver a sua seleção eliminada ainda na primeira fase da Copa depois das derrotas para Uruguai e Rússia. Ainda em recuperação de uma lesão no ombro, o atacante egípcio do Liverpool não jogou a primeira partida do seu país neste Mundial. No confronto seguinte, marcou contra os russos, mas não foi capaz de evitar a derrota.

"Eu mandei uma mensagem para Salah. Ele realmente queria muito jogar esta Copa do Mundo. Neste momento, é normal que ele esteja triste, mas ele vai olhar para frente", comentou o senegalês, em coletiva de imprensa na Arena Ecaterimburgo, palco do confronto deste domingo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.