Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Manifestação fará Mineirão abrir uma hora mais cedo na quarta-feira

Protesto está marcado para começar ao meio-dia na Praça Sete de Setembro e seguir até Mineirão

AE, Agência Estado

25 de junho de 2013 | 14h57

BELO HORIZONTE - A organização de uma manifestação que promete parar Belo Horizonte antes do jogo entre Brasil e Uruguai, quarta-feira, às 16h, pela semifinal da Copa das Confederações, fez o Comitê Organizador Local (COL) decidir antecipar em uma hora a abertura dos portões do Mineirão na comparação com os jogos da primeira fase.

O protesto, que está marcado para começar ao meio-dia na Praça Sete de Setembro e seguir em marcha de quase 10km até o Mineirão, espera reunir pelo menos 100 mil pessoas, público até maior do que o causou grande transtorno antes do confronto entre Taiti e Nigéria, no domingo.

Ao abrir os portões do Mineirão ao meio-dia, o COL dá a possibilidade de os torcedores chegarem mais cedo ao estádio e conseguirem entrar antes de a passeata chegar até lá. Será feriado em Belo Horizonte na quarta-feira, o que deve permitir que um maior número de pessoas participe dos protestos.

O COL também anunciou nesta terça-feira que o jogo entre Espanha e Itália, marcado para quinta-feira, no Castelão, em Fortaleza, terá os portões abertos ao meio-dia. Com exceção do jogo inaugural, que foi precedido de Festa de Abertura, em Brasília, em todas as outras partidas os portões foram abertos três horas antes do pontapé inicial.

A final, marcada para domingo, no Maracanã, também terá os portões abrindo quatro horas antes do começo da partida, às 15h. Já a decisão do terceiro lugar, no mesmo dia, em Salvador, seguirá o padrão dos demais jogos, com os torcedores recebendo permissão para entrar no estádio a partir das 13h.

"Gostaria de reforçar que a abertura dos portões nas semifinais será quatro horas antes das partidas, por questões de operação e para o público poder chegar antes e aproveitar as áreas de entretenimento disponíveis nas arenas", disse Saint Clair Milesi, diretor de comunicação do Comitê Organizador Local (COL).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.