Carl Recine/Reuters
Carl Recine/Reuters

Manifestantes são acusadas de 'violar direito de espectadores' em Moscou

Para integrantes do grupo Pussy Riots, 'não há estado de direito na Rússia'

Jamil Chade, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2018 | 07h18

Integrantes do grupo Pussy Riots, que invadiram a final da Copa do Mundo em um protesto inédito contra o presidente Vladimir Putin, foram formalmente acusadas pelas autoridades em Moscou. Elas teriam "violado os direitos dos espectadores" e ainda são acusadas de usar de forma ilegal roupas de policiais.

+ Opositores russos se preocupam com aumento da repressão após a Copa

+ Após invasão em final, polícia russa lamenta não poder usar repressão stalinista

+ Saiba quem é a banda punk que invadiu a final da Copa do Mundo

Se condenadas, elas podem ter de pagar uma multa equivalente a US$ 185,00 cada, além de prestar serviços comunitários durante 160 horas.

No segundo tempo da final entre França e Croácia, o grupo conseguiu driblar a segurança e invadir o campo para manifestar contra a repressão do Kremlin. Mbappé, estrela da Copa, chegou a fazer uma saudação com uma das integrantes do grupo, antes que fossem arrastados para fora. As imagens das garotas vestidas com uniformes policiais foram cortadas pela transmissão oficial da Copa, enquanto o assunto desapareceu das agências de notícia em Moscou.

Num vídeo divulgado nas redes sociais, elas explicaram a ação. "Tendo em vista que o estado de direito não existe na Rússia e que qualquer policial pode entrar em nossas vidas, a Copa do Mundo mostrou que os policiais sabem se comportar bem", ironizaram as mulheres, em referência ao tratamento que as forças de segurança prestaram aos turistas.

"Mas o que vai ocorrer quando a Copa acabar?", questionaram. "Só há uma solução: lutar contra a fabricação de falsas acusações e de prisões arbitrárias", insistiram.

No vídeo, em que aparecem vestidas de policiais, elas pedem uma competição política e que "qualquer pessoa possa participar da vida política de seu país, e de ser eleito". "São coisas muito simples", afirmam.

Um vídeo vazada de um princípio de um interrogatório das garotas, depois de detidas, também causou polêmica. As autoridades lamentaram não estarem nos anos do Stalinismo, quando a repressão foi ampla e generalizada contra qualquer um que questionasse o sistema.

Em cenas na delegacia que circularam pelas redes sociais, os policiais mantém o que aparenta ser os primeiros momentos de um interrogatório. "Você é uma canalha, qual seu nome?", questiona um policial. "Por que decidiram fazer merda na Rússia?", disse. "Não. Não estamos contra a Rússia", respondeu uma das meninas detidas.  

 

O policial voltou a cobrar uma explicação. "Saibam que, por esse motivo, a Rússia vai pagar multas contratuais à Fifa?", disse. "Vocês fizeram mal à Rússia", declarou o policial. 

O grupo, porém, deixou claro que não concordava com a avaliação das autoridades. "Não fizemos mal para a Rússia", contra-atacaram. O interrogatório continuou: "Vocês são normais?", perguntou um dos agentes. "Sim, somos", responderam. 

A polícia quis saber onde o grupo havia alugado os uniformes de agentes de segurança que usaram para invadir o campo. "Alugamos", responderam. 

Os policiais, porém, lamentaram não estar mais em 1937, ano de uma importante repressão de Joseph Stalin, para poder punir o grupo. "Infelizmente, hoje em dia, não estamos em 1937, infelizmente", insistiu.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.