Fred Magno/ Light Press
Fred Magno/ Light Press

Mano absolve jogadores e culpa escolhas táticas por derrota do Cruzeiro

Time mineiro foi derrotado pelo Grêmio por 2 a 0

O Estado de S.Paulo

27 Outubro 2016 | 09h16

O técnico Mano Menezes saiu em defesa dos jogadores do Cruzeiro após a derrota por 2 a 0 para o Grêmio, no Mineirão, no jogo de ida das semifinais da Copa do Brasil, ao declarar que as razões para o revés foram escolhas táticas realizadas por ele. Assim, absolveu o elenco, negando que tenha faltado vontade para conquistar um resultado melhor.

"Futebol não se resume à vontade, senão seria muito fácil. Vi justamente o contrário. Não faltou vontade ao Cruzeiro. Não conseguimos controlar o jogo como queríamos, não conseguimos marcar o adversário como deveríamos marcar. Se as questões são táticas, são muito mais questões do treinador", avaliou.

Após terminar a primeira etapa perdendo por 1 a 0, o Cruzeiro voltou para o segundo tempo com uma mudança, a entrada do meia-atacante Alisson no lugar do lateral-direito Lucas. Mano apontou que o time apresentou melhora no setor ofensivo, mas reconheceu que o gol marcado pelo gremista Douglas pôs tudo a perder.

"As questões do primeiro tempo foram táticas. Não foi questão dos atletas. Propusemos uma alteração tática no segundo tempo, tirando um homem de trás, porque este era o problema. O Grêmio tinha dois jogadores para quatro nossos. E, ao ficarmos com quatro jogadores para dois, perdemos o meio de campo e não conseguimos marcar os volantes nem encaixar a marcação nos meias. Com a entrada do Alisson e saída do Lucas, a colocação de uma linha de três mais arriscada no segundo tempo, avançando a equipe para pressionar, tiramos esta liberdade, conseguimos empurrar o adversário para trás, mas não podíamos levar o segundo gol como levamos. Depois, as coisas ficaram mais difíceis", analisou.

Para se garantir na decisão da Copa do Brasil, o Cruzeiro precisará vencer o Grêmio por três gols de diferença em Porto Alegre, na próxima quarta-feira. Mano reconheceu que a tarefa é complicada, mas prometeu que o time não deixará de lutar.

"O jogo da volta está difícil pela circunstância que deixamos o adversário abrir a vantagem, mas temos que ser competentes da maneira que não conseguimos ser aqui em Belo Horizonte. Se vamos conseguir ou não, é outra história. Mas, não vai faltar determinação ao Cruzeiro, nem análise de entendimento do que aconteceu aqui. Agora é passar aos jogadores uma ideia diferente de jogo, capaz de termos um desfecho diferente em Porto Alegre. É preciso reconhecer os méritos do adversário, que fez um trabalho melhor do que a gente neste primeiro jogo", afirmou.

Antes de voltar a encarar o Grêmio, o Cruzeiro terá compromisso pelo Campeonato Brasileiro. No próximo sábado, o time vai visitar o Atlético Paranaense, na Arena da Baixada, pela 33ª rodada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.