Mano admite desgaste do elenco e pede 'superação' ao Cruzeiro

'É hora de superação', afirma técnico da equipe mineira

Estadão Conteúdo

25 Outubro 2016 | 17h48

O Cruzeiro fechou nesta terça a preparação para encarar o Grêmio na primeira semifinal da Copa do Brasil, quarta-feira, no Mineirão. E na véspera de uma partida tão importante nesta reta final de temporada, o cansaço preocupa o técnico Mano Menezes, que pediu "superação" ao elenco celeste.

"Todo mundo no futebol de alto nível precisa de comprometimento. O trabalho é importante e influencia na ideia final do treinador. É a hora da decisão, não pensar muito lá na frente. É hora de superação. Todos estão envolvidos neste sentimento para o Cruzeiro estar forte e chegar à final. O que procuro passar nas últimas horas aos atletas são boas orientações. Não tenho dúvidas do comportamento da equipe", comentou Mano.

Prova deste cansaço aconteceu no último fim de semana, quando o treinador precisou poupar cinco titulares - Bruno Rodrigo, Edimar, Robinho, Rafael Sóbis e Ábila - no triunfo por 1 a 0 sobre o Vitória, pelo Brasileirão. Mesmo assim, Mano confia que na base da inteligência o Cruzeiro tenha condições de fazer um bom resultado em casa.

"Entendimento de competição é fundamental. Em determinados momentos do jogo, se arrisca mais ou se arrisca menos. Agora, só temos quatro times na disputa, somos privilegiados e tivemos méritos de estar entre eles. Mas precisamos de competência para continuar adiante. Espero um Cruzeiro se entregando no jogo, como se viu diante do Corinthians e como tem sido no Campeonato Brasileiro", afirmou.

O treinador ainda ressaltou a força física do Grêmio e a necessidade do Cruzeiro saber lidar com este obstáculo. "São times que sabem jogar e se comportar nesta hora, e temos a responsabilidade de fazer os primeiros 90 minutos na nossa casa. Vamos tentar construir uma vantagem e, para isso, precisamos de uma força grande, contra uma equipe de bastante força física. Precisamos, no mínimo, igualar isso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.