Mano celebra 'vitória mais convincente' do Corinthians

Técnico gostou dos 3 a 0 sobre o Mogi Mirim e distribui elogios a Morais, Tcheco e Souza, que fez dois gols

AE, Agencia Estado

18 de fevereiro de 2010 | 01h01

Mano Menezes não escondeu a satisfação com a vitória do Corinthians por 3 a 0 sobre o Mogi Mirim, nesta quarta-feira, fora de casa. O técnico distribuiu elogios a Morais, Tcheco e Souza, herói do jogo, com dois gols.

Veja também:

linkJOGO - Leia como foi Mogi 0x3 Corinthians

linkPoucos ingressos para a estreia na Libertadores 

PAULISTÃO - lista RESULTADOS / tabelaCLASSIFICAÇÃO

"Foi nossa vitória mais convincente de todas até agora. Jogamos fora de casa, precisando de mais imposição, e nós tivemos isso hoje. Já estamos no mesmo nível de preparação que os demais e os jogadores já podem render como esperado", comemorou.

Na avaliação de Mano, os experientes Tcheco e Roberto Carlos estão muito perto de suas condições ideais. "O Tcheco já está muito próximo do ideal, o Roberto Carlos também. Ele está com uma ansiedade muito grande pra marcar. Um jogador com tanta bagagem e experiência tem também essa vontade de fazer o gol e retribuir o carinho da torcida, mas vai acontecer uma hora".

O treinador também aprovou a atuação de Morais, que não conseguiu repetir as boas atuações de 2008 no ano passado. "Morais é um dos jogadores que teve a temporada mais acidentada ano passado. Fez uma grande temporada na Série B com muita movimentação, mas não teve isso ano passado. Agora ele vem retomando essa condição e eu tenho certeza que ele pode fazer essa função bem como fez hoje".

Por fim, Mano exaltou o desempenho do contestado Souza. "Souza fez dois gols, é o que centroavante tem que fazer. Muitas vezes em momentos ruins dele elogiamos o empenho dele, mas sabemos que isso não basta. Centroavante tem que marcar e hoje ele fez gols. Espero que ele dê continuidade a isso porque é importante a gente poder contar com um jogador bem nessa posição".

Satisfeito com sua atuação, o atacante, em tom de desabafo, pediu o fim das comparações com Ronaldo. "Ficam me comparando ao Ronaldo, aí fica difícil. Eu sou o Souza", afirmou. "Estava fazendo bons jogos, mas a bola não entrava. Por onde passei fiz gols. Mas este ano começou melhor".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.