Washington Alves/Cruzeiro
Washington Alves/Cruzeiro

Mano celebra vitória, mas reclama do Cruzeiro por gol sofrido no fim

Técnico vê equipe bem, mas perdendo força ofensiva no segundo tempo

Estadao Conteudo

03 de março de 2017 | 10h26

O técnico Mano Menezes garantiu ter aprovado a atuação do Cruzeiro na vitória por 2 a 1 sobre a Caldense, na noite de quinta-feira, no Mineirão, pela quinta rodada do Campeonato Mineiro, mas fez um alerta. Após elogiar o desempenho do time na etapa inicial, quando abriu 2 a 0 com os gols marcados pelo volante Henrique, ele reconheceu a queda de rendimento no segundo tempo e exibiu insatisfação com o gol sofrido nos acréscimos do jogo.

"A vitória foi importante porque foi o retorno de uma parada, que sempre cria um grau de dificuldade maior para retomar o ritmo. A equipe fez um bom primeiro tempo, conseguiu envolver o adversário, aumentou a pressão, o ritmo do jogo com boas jogadas até chegar aos gols. Construiu a vitória, com a vantagem. Penso que no segundo tempo, inicio no mesmo ritmo e depois, naturalmente, na última parte do jogo caiu um pouco. Primeiro pelas duas alterações que fiz nas laterais, o que impossibilitou de mexer um pouco mais na equipe do meio para frente. Perdemos um pouco da força ofensiva, mas a única coisa que não me agradou mesmo foi o gol no final", declarou.

O resultado levou o Cruzeiro aos 13 pontos, em segundo lugar no Campeonato Mineiro. O time voltará a jogar no próximo domingo, fora de casa, diante do América de Teófilo Otoni, com o treinador destacando a necessidade de o time triunfar para não perder contato com o líder Atlético, que soma 15.

"Temos uma diferença de dois pontos sobre o líder do campeonato e temos que buscar o resultado para não deixar essa diferença aumentar. Estamos lutando por uma classificação nesse momento, matematicamente não conseguimos, então temos que avançar na pontuação. Sabemos que teremos um jogo difícil, pelo visto, pelo que olhei, pela qualidade do adversário e pelo local do jogo, então temos que estar preparados com essa força e com aqueles que tiverem em condições", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.